Timor-Leste

Governo timorense aprova assinatura com Portugal de nova cooperação na defesa

O Governo timorense anunciou ter aprovado a assinatura do novo Programa-Quadro de Cooperação no Domínio da Defesa com Portugal, que vai vigorar até 2022 e deverá ser firmado na próxima semana.

O novo programa, válido para os próximos cinco anos, deverá ser assinado na próxima semana, em Lisboa

ANTONIO AMARAL/LUSA

O Governo timorense anunciou esta quinta-feira ter aprovado a assinatura do novo Programa-Quadro de Cooperação no Domínio da Defesa com Portugal, que vai vigorar até 2022 e deverá ser firmado na próxima semana, em Lisboa. Em comunicado, o Conselho de Ministros timorense informa que o novo programa, que revê aspetos da cooperação bilateral iniciada em 2002, foi aprovado na terça-feira

O novo programa, válido para os próximos cinco anos, deverá ser assinado na próxima semana, em Lisboa, durante a visita a Portugal do ministro da Defesa timorense, Cirilo Cristóvão. O programa “inclui vários projetos de cooperação no domínio da Defesa, com especial incidência na capacitação institucional, de formação de recursos humanos e do uso da língua portuguesa”, indicou.

O Acordo-Quadro de Cooperação entre os dois países foi assinado em 20 de maio de 2002, alinhando objetivos estratégicos para a cooperação global entre Timor-Leste e Portugal.

Na reunião de terça-feira o Conselho de Ministros aprovou também uma proposta do Ministério da Defesa sobre o efetivo a incorporar nas Forças de Defesa de Timor-Leste (F-FDTL) a partir de 2018, em cumprimento das orientações estratégicas do plano Força 2020. “O efetivo anual a incorporar nas F-FDTL, a partir de 2018, será de 600 homens/mulheres, na classe de praças”, referiu o comunicado.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
CDS-PP

A moção e a censura de um país

José Pinto

A Constituição não limita o direito à censura por parte dos cidadãos. É a essa censura – e revolta indignada - que nenhum Governo pode fugir. Face à censura coletiva, a discussão da moção nada adianta

Incêndios

O fogo e o papel de Portugal

José Barbedo

Enquanto a ocorrência de fogos faz parte do ciclo natural das florestas, a escala dos incêndios que tem ocorrido ao longo das últimas duas décadas era totalmente desconhecida no passado.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site