Presidente Trump

Trump demitiu diretor do FBI por ser “impopular”

Donald Trump diz que a investigação aos alegados contactos entre a sua campanha e o governo russo "é a maior caça às bruxas" e que despediu o diretor do FBI por este ser "impopular".

Getty Images

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, diz que a investigação que está a ser conduzida pelo Departamento de Justiça aos alegados contactos entre a sua campanha e o governo russo “é a maior caça às bruxas feita a um político na história americana”. Numa conferência de imprensa, realizada esta quinta feira, Trump afirmou que despediu James Comey por este ser “impopular”.

“O diretor Comey era muito impopular. Para além disso recebi uma forte recomendação, como sabem, do procurador geral adjunto Rod J. Rosenstein”, disse o presidente dos Estados Unidos da América.

Em dois tweets publicados, Donald Trump acusa ainda as autoridades norte-americanas de não terem designado nenhum procurador especial para investigar “todos os atos ilegais que aconteceram durante a campanha de Clinton e a administração de Obama”.

As críticas de Trump acontecem na sequência da nomeação, esta quarta-feira, do ex-diretor do FBI Robert S. Mueller como procurador especial para supervisionar a investigação acerca da influência russa nas eleições presidenciais norte-americanas do ano passado. Mueller foi nomeado após dois dias de tensão elevada nos EUA relativamente ao assunto: primeiro, porque foi revelado que Donald Trump partilhou informação sensível sobre o Estado Islâmico com o ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Sergey Lavrov; depois, porque se soube que Trump tinha pedido ao diretor do FBI, James Comey, antes de o despedir, para encerrar a investigação sobre Michael Flynn, o antigo Conselheiro para a Segurança Nacional que renunciou ao cargo depois de ter ocultado reuniões que teve com o embaixador russo nos EUA.

Esta não foi, contudo, a primeira resposta de Trump à nomeação do procurador especial. Inicialmente, a reacção oficial da Casa Branca foi mais moderada: “Uma investigação completa vai confirmar aquilo que já sabemos — que não houve nenhum conluio entre a minha campanha e qualquer entidade estrangeira”, lê-se no comunicado divulgado pela Casa Branca poucos minutos depois do anúncio da nomeação. Na nota, lê-se também que o presidente Donald Trump está “desejoso de que este assunto fique concluído rapidamente”. Segundo a CNN, esta resposta foi preparada em pouco tempo por uma série de assessores presidenciais, na esperança de que o Presidente mantivesse esta linha de resposta. Mas não. Donald Trump acordou esta manhã e usou o Twitter para responder à sua maneira.

Ex-diretor do FBI nomeado para supervisionar investigação sobre a Rússia

A polémica nos EUA já levou inclusivamente o congressista democrata Al Green a avançar com o primeiro pedido formal de impeachment — destituição — do Presidente norte-americano. Uma petição colocada entretanto online já reuniu mais de um milhão de assinaturas a exigir a saída de Trump. Ao mesmo tempo, na Rússia, Vladimir Putin ri-se da “esquizofrenia política” que se vive nos Estados Unidos. Num vídeo divulgado esta quinta-feira respeitante a uma conferência de imprensa em Sochi, vê-se o presidente russo dizer, entre risos, que irá repreender o ministro dos Negócios Estrangeiros por ele não lhe ter contado nenhum dos segredos, mostrando-se disponível para divulgar uma transcrição das conversas entre Trump e Lavrov em Moscovo.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site