Logo Observador
Mundial Sub-20

7 craques que nasceram no Mundial Sub-20. E 7 flops de que mais ninguém ouviu falar

Maradona, Messi, Pogba. O Mundial Sub-20, que arranca sábado na Coreia do Sul, é um viveiro de talentos que ficam para fazer história. Mas também há o reverso da medalha: conhece Matar ou Adiyiah?

Diego Maradona já jogava nos seniores do Argentino Juniors quando foi o MVP do Mundial Sub-20 de 1979

JORGE DURAN/AFP/Getty Images

Estava cheio, cheio, cheio. Cheio como hoje é complicado recordar. Estávamos a 30 de junho de 1991 e Portugal parou para ver a final do Mundial Sub-20 com o Brasil, disputada num Estádio da Luz que provavelmente até tinha mais do que as 120 mil pessoas que levava na altura. A Seleção Nacional repetiu o sucesso de 1989, em Riade, e voltou a sagrar-se campeã liderada por um capitão que, enquanto entoava o hino, não aguentou a emoção e chorou. Chamava-se Emílio Peixe, era um médio defensivo que também jogava como central, e hoje comanda a equipa portuguesa que este ano disputa a prova que vai arrancar este sábado na Coreia do Sul.

Nesse ano, Peixe foi considerado o melhor jogador da competição. Depois a carreira, que começou no Sporting, passou por Sevilha, FC Porto, Alverca, Benfica e U. Leiria. É, ainda agora, um dos oito magníficos que atuaram nos três grandes do futebol nacional, a par de Alhinho, Eurico, Romeu, Futre, Fernando Mendes, Derlei e Maniche. Mas foi aí, nesse Mundial Sub-20, que teve o seu grande momento. Afinal, é a prova que funciona de viveiro para os maiores talentos. Uns fazem carreira, outros caem no esquecimento. Em 20 edições, houve de tudo.

7 craques descobertos em Mundiais de sub-20

Diego Maradona

1979, Japão
Vencedor:
Argentina (3-1 com a U. Soviética)
Melhor jogador: Diego Maradona (Argentina)
Melhor marcador: Ramón Díaz (Argentina), 8 golos

Na altura, era apenas um pequeno grande talento que já dava cartas na equipa principal do Argentino Juniors, mas não demorou a seguir uma carreira que ainda hoje é vista por muitos como a do melhor jogador de sempre. A personalidade rock star também ajudava e muito, mas os feitos no Boca Juniors, no Barcelona e sobretudo no Nápoles elevaram-no ao estatuto de Deus (até uma igreja tem em seu nome). Passou ainda por Sevilha e Newell’s Old Boys antes de terminar no Boca. Orienta atualmente o Fujairah, dos Emirados, mas a carreira de treinador não serve de exemplo. Ganhou um Campeonato da Argentina; uma Taça, uma Taça da Liga e uma Supertaça de Espanha; dois Campeonatos, uma Taça, uma Taça UEFA e uma Supertaça de Itália; e sagrou-se campeão mundial de seleções em 1986, tendo ainda perdido a final de 1990.

Lionel Messi

2005, Holanda
Vencedor:
Argentina (2-1 com a Nigéria)
Melhor jogador: Messi (Argentina)
Melhor marcador: Messi (Argentina), 6 golos

Basta dizer que, entre 2009 e 2015, ganhou cinco vezes a Bola de Ouro, sendo o jogador mais vezes considerado o melhor do Mundo à frente de Ronaldo, com quatro. Fez toda a carreira no Barcelona, tendo aparecido pela primeira vez em Portugal, na inauguração do Estádio do Dragão. Continua sem ganhar títulos pela seleção principal argentina (a única coisa que lhe falta), mas já conquistou quatro Ligas dos Campeões, três Mundiais de Clubes, três Supertaças Europeias, oito Campeonatos, quatro Taças e sete Supertaças.

Paul Pogba

2013, Turquia
Vencedor:
França (0-0, 4-1 g.p. com o Uruguai)
Melhor jogador: Paul Pogba (França)
Melhor marcador: Ebenezer Assifuah (Gana), 6 golos

Quando chegou ao Mundial Sub-20 de 2013 já tinha passado pelas escolas do Le Havre, já se tinha destacado no Manchester United e já tinha mudado para a Juventus, mas nem por isso deixou de aproveitar a oportunidade para ficar na história como melhor jogador da competição. Ganhou quatro Campeonatos, duas Taças e duas Supertaças em Itália, além de ter sido finalista vencido na Liga dos Campeões. Foi também finalista vencido no último Campeonato da Europa de seleções, perdendo com Portugal na final. Tornou-se a maior transferência de sempre do futebol este verão, regressando a Old Trafford por 105 milhões de euros.

Robert Prosinecki

1987, Chile
Vencedor:
Jugoslávia (1-1, 5-4 g.p. com a RFA)
Melhor jogador: Robert Prosinecki (Jugoslávia)
Melhor marcador: Marcel Witeczek (RFA), 7 golos

Tinha fama de “mangas”, aqueles jogadores com um talento como poucos mas que não trabalhava tanto como deveria por ser tão bom. Não se sabe se era assim ou não, mas o facto é que teve uma carreira fantástica após ter brilhado no Mundial Sub-20 de 1987, que lhe valeu logo nesse ano a passagem do Dínamo Zagreb para o grande Estrela Vermelha. Mudou-se em 1991 para o Real Madrid, esteve no Oviedo e no Sevilha, chegou ao Barcelona em 1996/97 e andou depois por Croácia Zagreb, Standard Liége ou Portsmouth. Ganhou uma Taça dos Clubes Campeões Europeus, em 1991, entre mais de uma dezena de títulos na Jugoslávia, em Espanha, na Croácia e na Eslovénia, além de ter sido terceiro classificado no Mundial de 1998. Orientou o Estrela Vermelha e o Kayserispor antes de assumir o comando da seleção do Azerbaijão.

Sergio Agüero

2007, Canadá
Vencedor:
Argentina (2-1 com a Rep. Checa)
Melhor jogador: Sergio Agüero (Argentina)
Melhor marcador: Sergio Agüero (Argentina), 6 golos

O Atl. Madrid antecipou-se a toda a concorrência em 2006, quando contratou por cerca de 23 milhões de euros o pequeno (literalmente) prodígio ao Independiente. No ano seguinte, brilhou no Mundial Sub-20 e confirmou toda a fama que trazia da Argentina. Seria mais tarde protagonista de uma das primeiras transferências do novo milionário Manchester City, que pagou 45 milhões pelo avançado. Ganhou uma Liga Europa e uma Supertaça Europeia pelos colchoneros, a que juntou dois Campeonatos, duas Taças da Liga e uma Supertaça pelos citizens. Foi medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de 2008, mas perdeu uma final do Campeonato do Mundo e duas da Copa América.

Seydou Keita

1999, Nigéria
Vencedor:
Espanha (4-0 com o Japão)
Melhor jogador: Seydou Keita (Mali)
Melhor marcador: Pablo (Espanha) e Mahamadou Dissa (Mali), 5 golos

Foi descoberto pelo Marselha em 1997 quando jogava no Centro Salif Keita, o antigo avançado do Sporting que é tio do médio. Em 1999, confirmou todo o potencial e liderou o Mali ao terceiro lugar no Mundial Sub-20. Andou pelo Lorient e pelo Lens antes de chegar ao Sevilha, uma rampa que o lançou para quatro anos de Barcelona. Saiu em 2012, passou pela China (Dalian Aerbin), regressou à Europa via Valencia, ainda foi para a Roma e está gora no El-Jaish, do Qatar. Depois da Taça de França e da Supertaça de Espanha, ganhou no Barcelona três Campeonatos, duas Taças, três Supertaças, duas Ligas dos Campeões, duas Supertaças Europeias e dois Mundiais de Clubes.

Javier Saviola

2001, Argentina
Vencedor: Argentina (3-0 com o Gana)
Melhor jogador: Javier Saviola (Argentina)
Melhor marcador: Javier Saviola (Argentina, 11 golos)

Tinha a alcunha de coelho e saltou da cartola em 2001, quando arrasou por completo o Mundial Sub-20 disputado na Argentina. Jogava no River Plate, mas por mais de 15 milhões de euros mudou-se para Barcelona, onde esteve até 2007 com empréstimos a Mónaco e Sevilha pelo meio. Nesse ano, trocou os blaugrana pelo rival Real Madrid, onde esteve até 2009, quando assinou pelo Benfica. Antes de terminar a carreira no River Plate, passou por Málaga, Olympiacos e Verona. Ganhou uma medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de 2004 entre muitos títulos e muitos títulos entre quatro países.

E 7 ‘flops’ de que nunca mais se ouviu falar

Mas também há um reverso da medalha. Aqueles jogadores que brilham durante duas semanas, levam uma recordação para contar aos filhos e aos netos e depois entram num quase total eclipse. Ainda se recorda de algum?

Romulus Gabor

1981, Austrália
Vencedor:
RFA (4-0 com o Qatar)
Melhor jogador: Romulus Gabor (Roménia)
Melhor marcador: Ralf Loose (RFA), Roland Wohlfarth (RFA), Taher Abouzaid (Egito) e Mark Koussas (Austrália), 4 golos
5 jogadores que estiveram nesse Mundial: Ronaldão, Neil Webb, Schön, Carlos Aguilera e Paulo Roberto

Bismark

1989, Arábia Saudita
Vencedor:
Portugal (2-0 com a Nigéria)
Melhor jogador: Bismark (Brasil)
Melhor marcador: Oleg Salenko (U. Soviética), 5 golos
5 jogadores que estiveram nesse Mundial: João Vieira Pinto, Leonardo, Oleg Salenko, Sonny Anderson e Diego Simeone

Adriano

1993, Austrália
Vencedor: Brasil (2-1 com o Gana)
Melhor jogador: Adriano (Brasil)
Melhor marcador: Gian (Brasil), Adriano (Brasil), Milicic (Austrália), Nieto (México), Faklaris (EUA), Zambrano (Colômbia) e Ahinful (Gana), 3 golos
5 jogadores que estiveram nesse Mundial: Carsten Janker, Correa, Duah, Marc Vivien-Foé e Porfírio

Ismail Matar

2003, Emirados Árabes Unidos
Vencedor:
Brasil (1-0 com a Espanha)
Melhor jogador: Ismail Matar (EAU)
Melhor marcador: Cavenaghi (Argentina), Eddie Johnson (EUA), Sakata (Japão) e Dudu (Brasil), 4 golos
5 jogadores que estiveram nesse Mundial: Iniesta, Cavenaghi, Daniel Carvalho, Arouna Koné e Nilmar

Dominic Adiyiah

2009, Egito
Vencedor: Gana (0-0, 4-3 g.p. com o Brasil)
Melhor jogador: Dominic Adiyiah (Gana)
Melhor marcador: Dominic Adiyiah (Gana), 8 golos
5 jogadores que estiveram nesse Mundial: Salomón Rondón, Ganso, André Ayew, Herrera e Douglas Costa

Henrique

2011, Colômbia
Vencedor: Brasil (3-2 a.p. com Portugal)
Melhor jogador: Henrique (Brasil)
Melhor marcador: Henrique (Brasil), Lacazette (França) e Álvaro Vázquez (Espanha), 5 golos
5 jogadores que estiveram nesse Mundial: Lacazette, Danilo, Philippe Coutinho, Isco e James Rodríguez

Adama Traoré

2015, Nova Zelândia
Vencedor: Sérvia (2-1 a.p. com o Brasil)
Melhor jogador: Adama Traoré (Mali)
Melhor marcador: Mervo (Hungria) e Kovalenko (Ucrânia), 5 golos
5 jogadores que estiveram nesse Mundial: Angél Correa, André Silva, Gabriel Jesus, Gelson Martins e Julian Brandt

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt