Logo Observador
Eleições

Candidato da UNITA não quer governantes portugueses a visitar Angola antes das eleições

O presidente da UNITA e candidato às eleições presidências, Isaías Samakuva, disse que não quer governantes portugueses a visitar Angola antes da conclusão do processo eleitoral.

O líder da UNITA revelou que no decurso da visita a Portugal "não vai reunir-se com nenhum governante português", antes mantendo contactos com a sociedade civil, empresários, homens de negócios e académicos

MÁRIO CRUZ/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O presidente da UNITA e candidato às eleições presidências, Isaías Samakuva, disse esta sexta-feira que não quer governantes portugueses a visitar Angola antes da conclusão do processo eleitoral agendado para agosto, ao contrário do sucedido em 1992, 2008 e 2012.

No início de um roteiro que abrange também Espanha e França para apresentar a sua candidatura, o líder do partido do “Galo negro” apelou, na cidade do Porto, a uma postura “equidistante” portuguesa num processo em que pode vir a desempenhar “um papel fundamental”.

“Verificámos em três pleitos eleitorais -1992, 2008 e 2012 – que na aproximação da campanha eleitoral dirigentes políticos portugueses visitaram Angola e saíram com discursos laudatórios sobre quem estava a governar o país”, lembrou Isaías Samakuva.

E prosseguiu: “Naturalmente que quando faltam dois ou três meses para as eleições e vem uma entidade estrangeira e diz que o governo está bom e que está tudo bem, está a dizer ao eleitor que não há razões para mudar de governo”.

“Quisemos desta vez transmitir por portas travessas que os governantes portugueses não deviam visitar agora Angola, mas que o façam depois das eleições”, manifestou.

No dia em que chegou ao Porto, o político angolano deixou ainda um conselho aos governantes portugueses sobre o processo que se concluirá com a eleição do sucessor de José Eduardo dos Santos na presidência de Angola.

“Pensamos que, desta vez, Portugal devia desempenhar, em primeiro lugar, um papel de equidistância e em segundo devia ajudar Angola a organizar um processo credível”, disse.

Samakuva salientou que os processos eleitorais ocorridos naquele país “têm sido todos fraudulentos” e que, “muitas vezes, os países europeus ficam indiferentes a essas situações”.

“Desta vez temos vindo a insistir junto da União Europeia e das autoridades angolanas para que o país se abra para uma observação que possa no final do processo dizer que houve o cumprimento da lei”, salientou.

E continuou: “Portugal pode ser um facilitador disso mesmo. O papel de Portugal pode ser muito importante, até mesmo fundamental, porque as relações que tem com o governo angolano permitem exercer uma influência positiva para que este processo eleitoral seja credível”.

Samakuva entende que o povo angolano “está cansado e à espera que seja um processo transparente”, até porque se o contrário acontecer, prevê que aconteça “alguma turbulência”.

“Ela não virá nem da UNITA nem de outros partidos políticos, mas do cidadão comum que ao não ver uma mudança a realizar-se na Angola pode vir para as ruas protestar”, disse.

O líder da UNITA revelou que no decurso da visita a Portugal “não vai reunir-se com nenhum governante português”, antes mantendo contactos com a sociedade civil, empresários, homens de negócios e académicos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Democracia

Fogo cruzado sobre a caça ao voto

António Coutinho

Sem me arrogar quaisquer competências em politologia, julguei pertinente avançar algumas razões em defesa da escolha aleatória da representação democrática que não têm sido devidamente consideradas.