Logo Observador
Emprego

Costa diz que crescimento do emprego em 2016 deveu-se muito ao crescimento turístico

O primeiro-ministro destacou a importância do turismo na economia nacional, admitindo que o crescimento do emprego em Portugal em 2016 se deveu muito ao crescimento da atividade turística.

JOSÉ COELHO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O primeiro-ministro destacou a importância do turismo na economia nacional, admitindo que o crescimento do emprego em Portugal em 2016 se deveu muito ao crescimento da atividade turística.

“O turismo tem importância pela atividade económica que gera, pelo peso que tem nas exportações e pelo efeito multiplicador na criação de emprego”, afirmou António Costa durante uma visita à Igreja e Torre dos Clérigos, no Porto, considerado o `ex-libris´ da cidade.

Por esse motivo, o chefe do Governo frisou a importância da conjugação de esforços por parte do Estado, dos municípios, das regiões de turismo e da igreja para que Portugal continue a ser um “grande destino” turístico.

“É minha profunda convicção que turismo chama turismo porque cada visitante, no regresso a casa, conta a sua experiência aos familiares, amigos, colegas de trabalho e vizinhos e, se desses, dois vierem visitar o país, já é bom”, entendeu.

O primeiro-ministro afiançou que o turista encontra em Portugal aquilo que não encontra noutro país, que é o “fator de diferenciação”, tornando o país atrativo.

Elogiando a “vitalidade” que o Porto ganhou nos últimos anos, o socialista vincou que a cidade tornou-se “indiscutivelmente” um dos grandes fatores de atratividade do turismo nacional.

“Ouço excessivas vezes dizer que temos tido sorte no crescimento do turismo, como se o turismo que tem crescido em Portugal resultasse do infortúnio que tem afetado outros destinos turísticos”, frisou.

Costa admitiu que porventura há destinos no país de virados para o produto “sol e praia” que terão beneficiado da instabilidade política e da insegurança existente noutras regiões, mas lembrou que quem visita o Porto não o faz pelo sol e praia.

Mas sim, sublinhou, pela “vitalidade notável, pelo património de grande riqueza, pela gastronomia que oferece, pelo acolhimento caloroso e amigável, afirmando-se por si próprio como um destino de grande importância turística”.

O primeiro-ministro foi agraciado pela Irmandade dos Clérigos, responsável pela gestão do monumento, como o visitante número dois milhões, números desde a inauguração das obras da igreja, em 2014.

“É uma grande honra ter sido o visitante dois milhões da renovada Torre dos Clérigos”, exprimiu.

António Costa dedicou o dia de hoje ao distrito do Porto, tendo já passado por Vila Nova de Gaia, Maia, Lousada e Porto, seguindo agora para Rio Tinto, Gondomar e Penafiel.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Democracia

Fogo cruzado sobre a caça ao voto

António Coutinho

Sem me arrogar quaisquer competências em politologia, julguei pertinente avançar algumas razões em defesa da escolha aleatória da representação democrática que não têm sido devidamente consideradas.