Irão

Longas filas apontam para elevada participação nas presidenciais iranianas

A primeira metade do dia em que o Irão elege um presidente ficou marcada por uma elevada participação, com longas filas para votar a formarem-se logo na abertura das urnas.

Segundo a agência EFE, longas filas para votar formaram-se desde as primeiras horas da manhã junto de muitas das assembleias de voto da capital, instaladas normalmente em escolas e locais religiosos

ABEDIN TAHERKENAREH/EPA

A primeira metade do dia em que o Irão elege um presidente ficou marcada por uma elevada participação, com longas filas para votar a formarem-se logo na abertura das urnas.

Cerca de 56 milhões de eleitores escolhem esta sexta-feira um presidente para os próximos quatros anos, com o presidente cessante, o moderado Hassan Rohani, e o conservador Ebrahim Raissi como principais candidatos.

Segundo a agência EFE, longas filas para votar formaram-se desde as primeiras horas da manhã junto de muitas das assembleias de voto da capital, instaladas normalmente em escolas e locais religiosos.

O ato de votar demora algum tempo, uma vez que, segundo a agência France Presse, cada eleitor tem de escrever o nome e o código do candidato presidencial que apoia e os nomes e códigos de 21 membros do conselho municipal, concluindo o voto com uma impressão digital. No caso da capital, Teerão, há 2.700 candidatos ao conselho municipal.

Os códigos estão afixados no exterior das assembleias de voto e alguns eleitores anotam-nos nos telemóveis para facilitar depois o preenchimento do boletim.

Ainda assim, as filas de espera nestas eleições parecem mais longas que as que se formaram nas legislativas de 2016, segundo a mesma agência.

Os eleitores conservadores são habitualmente mais participativos, pelo que uma elevada participação pode favorecer Rohani.

Se nenhum dos candidatos obtiver mais de 50% dos votos, os dois mais votados disputam uma segunda volta dentro de uma semana.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Primeiro-Ministro

António Costa: o eterno número dois

João Marques de Almeida

Costa está a substituir o líder porque não há outro e porque Sócrates não pode liderar o PS. O PS socrático não tem hoje alternativa. Mas eles sabem que o PM não é o verdadeiro líder do seu partido.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site