Pesca

Maioria do pescado que se consome em Portugal e Mediterrâneo é importado

A maioria do pescado consumido em Portugal e nos países mediterrânicos é importado, de acordo com a World Wildlife Fund (WWF). A organização salienta como causas a pesca industrial e ilegal.

Portugal, com um consumo de 56,8 quilos por pessoa, é um dos países acima da média europeia de consumo de peixe

André Kosters/LUSA

A maioria do pescado consumido em Portugal e nos países mediterrânicos é importado, de acordo com a World Wildlife Fund (WWF), que aponta a pesca industrial e ilegal como causas para a falta de peixe no Mediterrâneo.

Das 7,5 milhões de toneladas de pescado comidas por ano nos países mediterrânicos, só 2,75 milhões são apanhadas internamente.

Portugal, com um consumo de 56,8 quilos por pessoa, é, a par de Espanha, Croácia, França, Grécia, Itália e Eslovénia, um dos países acima da média europeia de consumo de peixe, que se situa nos 22,9 quilos per capita. Marrocos, Tunísia, Argélia e Líbia são as origens mais comuns do peixe importado para a Europa, atingindo 1,8 milhões de toneladas em 2014, de acordo com os números da WWF.

A falta de peixe no Mediterrâneo explica-se, nos últimos 50 anos, pelos “crescentes métodos de pesca industrial, má monitorização, falta de controlo da pesca ilegal, não regulamentada e não declarada, e fatores ambientais”, salienta-se no estudo divulgado esta sexta-feira pela organização.

Portugal é o maior consumidor de pescado per capita da Europa e o terceiro no mundo”, destacou Rita Sá, da WWF Portugal, acrescentando que “apenas um quarto do pescado que os portugueses consomem provem de águas nacionais”, com uma “dependência de importações de países do norte da Europa, com espécies como o bacalhau e o salmão”.

Num guia divulgado pela WWF para um consumo mais responsável e sustentável de peixe recomenda-se não comer peixe apanhado antes de ser adulto, procurar nos rótulos por produtos certificados e variar as espécies consumidas.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crianças

Há Natais e Natais...

Rute Agulhas

Pais, mães, avós e restante família alargada. Deixemos as crianças viver a magia do Natal. Acreditar, mesmo que seja a fingir, no Pai Natal e nas renas, e na fábrica de brinquedos, e nos duendes.

IPSS

Raríssimas: o Estado é parte do problema

Rui Ramos

Mais do que por uma “vida de luxo”, a direcção da Raríssimas foi atraída por uma “vida de Estado”. Libertar a sociedade deste Estado gordo e promíscuo seria um meio de a libertar das piores tentações.

Brexit

Quem disse que sair da Europa era fácil?

Diana Soller

Esperemos que o executivo britânico se reorganize depressa. Ainda que o divórcio tenha tido até agora pouco de litigioso, uma das partes põe paus na engrenagem. E nas separações todo o cuidado é pouco

Crianças

Há Natais e Natais...

Rute Agulhas

Pais, mães, avós e restante família alargada. Deixemos as crianças viver a magia do Natal. Acreditar, mesmo que seja a fingir, no Pai Natal e nas renas, e na fábrica de brinquedos, e nos duendes.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site