Arte

Quadro de Basquiat leiloado por quase 100 milhões de euros bate recorde de vendas

Empresário japonês adquiriu um Basquiat por quase 100 milhões de euros. É a obra mais cara de sempre de um pintor norte-americano e a obra pós-1980 mais valiosa. Basquiat já está na "liga" de Picasso.

AFP/Getty Images

O quadro mais recente de Jean-Michel Basquiat bateu recordes de venda no último leilão em Nova Iorque, tendo sido vendido por 110.5 milhões de dólares (cerca de 99 milhões de euros), avança a imprensa norte-americana. Trata-se do dobro do preço a que, no ano passado, foi vendida a sua obra considerada até aqui como a mais cara. Ambas foram adquiridas pela mesma pessoa, um empreendedor japonês de 41 anos apaixonado por pintura, que deseja abrir o seu próprio museu.

A obra de arte, “Sem título”, trata-se de um quadro a óleo, acrílico e tinta de spray, datado de 1982, e representa um rosto numa espécie de crânio, com várias cores. As expectativas, segundo o New York Times, eram de que o quadro fosse vendido no leilão de Sotheby’s, que se realizou esta quinta-feira à noite, por 60 milhões de dólares. A parada subiu de tal maneira que o japonês Yusaku Maezawa teve de ultrapassar os 110 milhões.

Mas este não é o único recorde. O mais recente quadro de Basquiat é agora considerado o trabalho mais caro de sempre de um artista norte-americano, e o valor que atingiu é o valor mais alto de sempre atribuído a uma peça de artistas afro-americanos. Pintado em 1982, o quadro de Basquiat é agora a primeira obra de arte pós-1980 a bater a marca dos 100 milhões de dólares. “Basquiat está agora na mesma liga que Francis Bacon e Pablo Picasso”, diz Jeffrey Deitch, especialista naquele pintor norte-americano ao New York Times.

O empreendedor japonês de 41 anos, Yusaku Maezawa, fez a compra por telefone após 10 tensos minutos. Segundo a imprensa norte-americana, quando a compra foi fechada, ouviram-se muitos aplausos na sala.

Yusaku é fundador de uma Fundação de Arte Contemporânea, quer abrir um museu na sua cidade natal de Chiba, Japão, e não tem sido brando nas obras de arte que adquire. Na sua conta de Instagram partilhou uma fotografia ao lado da mais recente aquisição, dizendo que o quadro o fez sentir “muito grato pelo seu amor pela arte”. “Estou muito feliz por anunciar que acabei de adquirir esta obra de arte. Quando vi este quadro pela primeira vez fiquei paralisado com tanto entusiasmo e gratidão pelo meu amor à arte”, escreveu.

O último quadro de Basquiat adquirido por este japonês tinha sido a pintura de um diabo, em tons vermelhos e laranja, leiloada no ano passado pelo valor de 57.3 milhões de dólares — valor mais alto até então atribuído a um Basquiat. Chegou ao Japão no passado mês de novembro.

Arrived in Japan #jeanmichelbasquiat

A post shared by Yusaku Maezawa (@yusaku2020) on

Antes de abrir o seu próprio museu, Yusaku Maezawa planeia emprestar a sua mais recente aquisição milionária a instituições e exposições um pouco por todo o mundo. “Espero que traga aos outros tanta alegria como que traz a mim, e que esta obra de arte do então jovem Basquiat de 21 anos inspire as nossas futuras gerações”, anunciou em comunicado.

Natural de Nova Iorque, Jean-Michel Basquiat morreu em 1988 de overdose, aos 27 anos. Tinha começado a pintar aos 20 anos, pelo que o seu estrelato durou apenas sete anos — enquanto vivo. A maior parte do seu trabalho ilustra os problemas dos afro-americanos nos EUA. Começou por ser um artista de graffiti em Brooklyn que vendia desenhos por 50 dólares, e está agora na mesma liga de Pablo Picasso.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Estado

O Estado e a verdade

Rui Ramos

Este é um Estado que teve seis anos José Sócrates à frente do governo, carregado de suspeitas de corrupção, mentira e conspiração contra o Estado de direito – e nada fez para esclarecer as dúvidas.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site