Magistrados

Quebra no sistema interno do Ministério Público não afetou atividade dos magistrados

A procuradora-geral da República disse que a paragem no sistema interno de comunicações do Ministério Público não está a afetar a investigação criminal e outros atos processuais dos magistrados.

o sistema interno de Comunicações do MP está desativado desde esta sexta-feira, impedindo o envio e troca de mensagens e ofícios entre departamentos

FOCKE STRANGMANN/EPA

A procuradora-geral da República disse, esta sexta-feira, que a paragem no sistema interno de comunicações do Ministério Público não está a afetar a investigação criminal e outros atos processuais dos magistrados, considerando que “não é caso para alarme”.

“Não atinge de maneira nenhuma a atividade processual dos magistrados, não é caso para alarme”, disse Joana Marques Vidal, em declarações aos jornalistas à margem da cerimónia de entrega formal do brasão de armas de Monsanto, distrito de Castelo Branco.

A procuradora-geral da República adiantou que o sistema “deitado abaixo” abrange o portal e o sistema interno de comunicação, que “não afeta de maneira nenhuma a investigação criminal e os atos processuais que os magistrados têm que efetuar”.

“É um sistema de comunicação interna que obviamente nos afeta porque também abrange o portal, comunicação para o exterior, mas que, segundo as notícias que tivemos até agora, não conseguiram atingir qualquer tipo de informação e ter acessos às bases de dados”, sustentou.

Fonte do Ministério Público (MP) disse à Lusa que o sistema interno de Comunicações do MP está desativado desde esta sexta-feira, impedindo o envio e troca de mensagens e ofícios entre departamentos.

A mesma fonte referiu que a quebra do sistema interno do Ministério Público é geral, abrangendo todo o país, mas que não existe ainda a certeza se o colapso resultou de uma avaria ou de um ataque informático.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Caso José Sócrates

Quid custodiet custodiam?

Luís Ribeiro
222

Agora que o puzzle está claro, quanto será reaberto o inquérito ao crime contra o Estado de Direito para conhecermos a cumplicidade dos que então eram os mais altos responsáveis da Justiça portuguesa?

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site