Logo Observador
Programa de Ajustamento

Ex-economista-chefe do FMI: resgate tinha demasiada austeridade por culpa da troika e do governo de José Sócrates

643

Ex-economista chefe do FMI defende que a redução do défice imposta pelo resgate devia ter sido mais lenta, mas para isso era preciso mais dinheiro, que a troika e o Governo de Sócrates não quiseram.

AFP/Getty Images

O ex-economista-chefe do Fundo Monetário Internacional, Olivier Blanchard, considera que o ritmo de redução do défice imposto pelo programa de resgate da troika era demasiado elevado, mas reparte as culpas entre a troika, que não tinha muito para emprestar, e o Governo de José Sócrates que quis minimizar o empréstimo ao máximo.

Era necessário reduzir o défice e fazer reformas estruturais, “sem dúvida”, mas o programa devia ter sido diferente, afirmou Olivier Blanchard, numa conversa com jornalistas em Lisboa, à margem da apresentação de um artigo sobre a economia portuguesa que escreveu com Pedro Portugal, economista do Banco de Portugal.

“O racional de que tinham de ter consolidação orçamental e reformas estruturais, penso que foi o correto naquele nível, sem dúvida. Foi a consolidação demasiado rápida? A resposta é sim, mas, e o mais aqui é muito importante, o ritmo de consolidação foi determinado pela quantidade de financiamento que obtiveram, porque não tinham acesso aos mercados”, disse.

No entanto, e sublinha a importância deste ‘mas’, o programa era o adequado para o envelope financeiro que foi determinado. Sem mais dinheiro, o programa não poderia ter sido diferente. Deveria sim, defende, era ter sido acordado um empréstimo maior a Portugal do que os 78 mil milhões de euros que ficaram acordados entre o Estado português e o FMI e a União Europeia.

A responsabilidade aqui, diz, é repartida entre a troika, que não tinha mais fundos e vontade política depois de dois resgates – Grécia e Irlanda -, e do próprio governo português, na altura o liderado por José Sócrates, que não queria um empréstimo maior para que o programa fosse mais curto.

“[O ritmo de consolidação] foi inteiramente determinado pela dimensão do programa. Estariam melhores com um programa mais generoso? Sim, penso que teria sido melhor ter um programa que permitisse que a consolidação orçamental fosse feita mais lentamente, penso que se pagaria sozinho. Por que razão não aconteceu? Penso que, e eu não estava na sala, mas tenho ideia que a responsabilidade foi tanto da troika, que não podia gastar mais, e do governo português, que não via com bons olhos receber demasiado, pedir emprestado demasiado. Olhando para trás, tanto do lado da troika como do lado do governo havia o desejo de minimizar o efeito esperado da consolidação orçamental, que levou à escolha de multiplicadores orçamentais demasiado baixos”, disse.

Menos entusiasmo no crescimento, se faz favor

A economista está melhor do que esperava há um ano, o crescimento de 2,8% no primeiro trimestre é uma ótima notícia, mas… calma. O ex-economista-chefe do FMI elogia o caminho feito até aqui e diz que a retoma está de facto em curso, mas como, diz, da mesma forma que uma andorinha não faz a primavera, este crescimento não deve durar.

“Tenhamos cuidado. Não penso que vá durar. Mais uma vez, a previsão para o crescimento da produtividade ainda não é muito boa, ainda há muitas dimensões onde as coisas não estão ótimas, mas é claro que a situação está melhor do que alguém pensava há um ano. O porquê, não é inteiramente claro para mim”, disse Olivier Blanchard.

A preocupação do economista francês também está expressa no artigo publicado com Pedro Portugal que apresentou esta sexta-feira em Lisboa, especialmente no que diz respeito às exportações, que continuam a ganhar quota de mercado mesmo sem ajustarem o preço, apesar do ajustamento na competitividade e nos custos de trabalho que aconteceu internamente.

“O desempenho das exportações, que são uma boa parte desta história de sucesso, não são fáceis de entender”, disse o economista. Irão continuar? Não sabe. A dificuldade em perceber esta evolução, juntamente com o perigo das importações começarem a crescer mais rapidamente que as exportações quando a retoma da economia estiver mais sólida, deixam o economista mais cauteloso sobre as perspetivas económicas de Portugal.

Só falar em reestruturação da dívida já é uma péssima ideia

No artigo apresentado esta sexta-feira, o economista defende que a melhor solução para resolver a questão da elevada dívida pública portuguesa – atualmente perto dos 130% do PIB – se deve resolver promovendo o crescimento económico. Seria sempre um problema para resolver durante um longo período de tempo.

Questionado diretamente sobre a hipótese de uma reestruturação a pedido do Governo português, Olivier Blanchard diz que não só Portugal não precisa, como só falar no tema é uma péssima ideia para Portugal e pode ter consequências.

“O custo de tentar seria enorme e vocês perderiam toda a credibilidade, seriam vistos com a Grécia, e a última coisa que querem é passarem a ser vistos com a Grécia”, afirmou.

O francês diz que os credores acham que Portugal consegue gerir a sua dívida e que, por essa razão, nem sequer dariam hipótese a Portugal. Por isso, não só não traria resultados, como só falar no tema poderia provocar um aumento imediato nos juros exigidos à dívida portuguesa.

“Eu não iniciaria negociações ou sequer a ideia de haver haver negociações, porque assim que o fizerem, ou ainda antes de as negociações começarem, teriam mais 200 pontos base na vossa taxa de juro”, disse.

Em alguns casos, como o da Grécia, “falar com os credores é essencial, porque sem isso nunca conseguiriam”, mas no caso de Portugal, “na ausência de choques”, o economista acredita que a dívida portuguesa é passível de ser gerida.

Reduzir o IRS só aumentando outros impostos

Questionado sobre a hipótese de se aplicar uma redução no IRS no próximo orçamento, o economista defende que não há margem para isso. “Não, a menos que aumentem outros impostos”. Olivier Blanchard diz que as restrições das regras orçamentais não devem dar margem a Portugal para fazer esse esforço e que esta não parece a melhor razão para as violar.

“Reduzir o IRS não me parece um motivo suficientemente válido para violar as regras como elas são, teria de ser algo que, plausivelmente, aumentasse o crescimento”, diz, acrescentando que uma medida deste género aumentaria o crescimento no curto prazo, mas aumentaria a dívida pública e não teria um efeito duradouro no crescimento.

Falando das regras orçamentais europeias, Olivier Blanchard é claro: têm de ser mudadas. Apesar de terem sido alteradas em resposta à crise das dívidas soberanas para as tornar mais credíveis, o ex-economista-chefe do FMI defende que os responsáveis europeus fizeram asneira e que estas terão de ser novamente mudadas. “Tornaram-as uma confusão. Tornaram-nas uma completa confusão”, disse.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: nmartins@observador.pt
Governo

A “trajectória correcta” para onde?

Rui Ramos
1.212

Os casos da TSU e da CGD são um sinal do que vai acontecer quando a geringonça chegar ao fim: vamos descobrir que as promessas não tinham garantias, e eles vão dizer-nos que não assinaram nada.

Educação

O Filipa e a escola pública

Maria José Melo

Portugal só será realmente um país civilizado quando existir consciência cívica por parte de todos os cidadãos. Foi esta visão que adquiri no Liceu D. Filipa de Lencastre e me acompanhou toda a vida.