Logo Observador
Brasil

Segundo ministro brasileiro renuncia após escândalo que envolve Presidente Temer

O ministro da Cultura do Brasil, Roberto Freire, apresentou na quinta-feira a sua demissão devido ao escândalo de corrupção que implica o Presidente Michel Temer.

Bruno Araújo, do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), um dos maiores aliados do Governo, anunciou também a sua saída do Executivo.

FERNANDO BIZERRA JR./EPA

Autor
  • Agência Lusa

O ministro da Cultura do Brasil, Roberto Freire, apresentou na quinta-feira a sua demissão devido ao escândalo de corrupção que implica o Presidente Michel Temer e que levou oposição e apoiantes do Governo a exigirem a sua renúncia. Freire apresentou a sua demissão horas depois de o ministro das Cidades, Bruno Araújo, abandonar o Governo em reação às acusações feitas ao Presidente.

Numa carta dirigida a Temer, Freire assegurou que “tendo em vista os últimos acontecimentos e a instabilidade política gerada pelos fatos que envolvem diretamente a Presidência da República”, decidiu, com “caráter irrevogável, renunciar ao cargo de ministro de Estado da Cultura”.

Segundo o texto, Freire voltará a ocupar o seu mandato na câmara dos deputados “para ajudar o país a buscar um mínimo de estabilidade política que nos permita avançar em reformas fundamentais para o desenvolvimento da economia, geração de emprego e renda e garantia dos direitos fundamentais para toda a população”.

Presidente do Partido Popular Socialista (PPS), Freire foi anunciado em meados de novembro como novo ministro da Cultura, em substituição de Marcelo Calero, que deixou o lugar depois de notícias de que recebeu pressões para aprovar um plano urbanístico.

O PPS é um dos partidos que forma a base do Governo brasileiro e conta também com o ministro da Defesa, Raul Jungmann, ainda no cargo, além de nove deputados federais e um senador.

Bruno Araújo, do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), um dos maiores aliados do Governo, anunciou também a sua saída do Executivo.

O Presidente Michel Temer foi gravado por empresários da JBS, grande produtora de carnes do Brasil, a concordar com um alegado pagamento de subornos ao ex-deputado Eduardo Cunha, condenado por envolvimento nos esquemas de corrupção na Petrobras.

É esta a conversa que pode comprometer Michel Temer

Temer fez na quarta-feira uma comunicação ao país a dizer que não pensa renunciar ao cargo de Presidente, que ocupa desde a destituição da sua antecessora, Dilma Roussef.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Brasil

O que tem Temer a temer?

José Pinto

Resta, por isso, o recurso ao impeachment. Uma exceção que ameaça tornar-se regra no continente americano. Uma decisão que pode obrigar Temer a beber do veneno que ajudou a servir à sua antecessora.

Mundo

T2: Trump e Temer

João Marques de Almeida

Os líderes europeus, apesar da antipatia que sentem contra Trump, estão nervosos com a possibilidade de um impeachment nos Estados Unidos. Sabem que o processo poderia prejudicar a economia europeia.

África

Herança de injustiças

Térsio Vieira

25 de Maio de 1963 jamais será esquecida pelos africanos porque contribuiu decisivamente para abolir a marginalização e a escravatura que marcaram profundamente a vida de milhões ao longo dos séculos.