Logo Observador
Lisboa

Viaduto de Alcântara, em Lisboa, encerra no sábado e reabre totalmente na segunda-feira

O viaduto rodoviário de Alcântara vai encerrar à circulação no sábado, para conclusão dos trabalhos de reparação, reabrindo ao tráfego na próxima segunda-feira.

NUNO FOX/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O viaduto rodoviário de Alcântara vai encerrar à circulação no sábado, para conclusão dos trabalhos de reparação, reabrindo ao tráfego na próxima segunda-feira, anunciou esta sexta-feira a Câmara de Lisboa.

Uma nota do departamento de comunicação da autarquia informou hoje que “para a conclusão dos trabalhos em curso no viaduto de Alcântara, na sequência da vistoria geral” à infraestrutura, será encerrada a circulação no tabuleiro que liga Alcântara-Mar a Alcântara-Terra.

Além da intervenção em fase final no tabuleiro oposto, que liga Alcântara-Terra à zona portuária, “não haverá circulação automóvel em todo o viaduto durante o dia de sábado”, explicou a autarquia. “As alternativas aconselhadas neste dia para chegar ou sair da zona das Docas são a CRIL [Circular Regional Interior de Lisboa] e os viadutos da Infante Santo e Pedrouços”, aconselhou a câmara.

A autarquia anunciou ainda que, após os trabalhos, os dois tabuleiros do viaduto reabrem na totalidade na segunda-feira, 22 de maio, “sem constrangimentos ou condicionamentos”, prevendo-se que os pórticos destinados a limitar a passagem de veículos pesados sobre a infraestrutura, a implantar nas entradas dos dois sentidos, “sejam colocados no início de junho”.

O desvio detetado num dos pilares do viaduto de Alcântara, que liga a Avenida de Ceuta às Docas, passando por cima das avenidas da Índia e Brasília, provocou a 22 de março passado condicionamentos de trânsito automóvel e ferroviário no local.

A Câmara de Lisboa apontou na altura como causa provável para o incidente uma “travagem de um veículo”, prevendo que após trabalhos complementares de manutenção a circulação seria retomada em meados de maio.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt