Crise Política no Brasil

Temer. Inquérito só será suspenso se for provada a manipulação da gravação

Michel Temer tem "certeza" de que as gravações da conversa com Joesley Batista foram manipuladas e pediu a suspensão do inquérito. Tal só irá acontecer se for provado que o áudio foi editado.

Getty Images

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia, divulgou esta segunda-feira que a suspensão do inquérito a Michel Temer só será decidida quando a avaliação da gravação da conversa entre o presidente e Joesley Batista, dono da JBS, terminar. Caso se verifique que tenha sido editada, o inquérito poderá ser suspenso.

A informação foi avançada pela Globo. O presidente do Brasil acabou por desistir do pedido de suspensão do inquérito. O advogado de Temer, Gustavo Guedes, revelou na tarde desta segunda-feira que fez um novo pedido ao STF para que o inquérito afinal não fosse suspenso, conta o jornal brasileiro Estadão.

Eu vim dizer que, diante desse deferimento, não víamos mais a necessidade de suspender o processo e que o presidente quer que esse assunto seja resolvido o mais rápido possível”, disse o advogado.

No passado sábado, Michel Temer anunciou que ia avançar com um pedido de suspensão do inquérito ao STF. Num comunicado ao país, o presidente do Brasil defendeu que as gravações que o incriminam foram manipuladas. “Essa gravação clandestina foi manipulada e adulterada com o objetivos nitidamente subterrâneos, que levou muitas pessoas ao engano e trouxe grave crise ao Brasil”, garantiu Temer.

Michel Temer exige suspensão do inquérito e diz que gravação foi adulterada

No mesmo dia, depois do anúncio de Temer, Rodrigo Janot, procurador-geral da República, defendeu a continuidade do inquérito, garantindo que as gravações passaram por uma avaliação técnica. Numa nota divulgada pelo Ministério Público Federal, concluiu-se que a gravação “é audível, inteligível e apresenta uma sequência lógica e coerente, com características iniciais de confiabilidade”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Incêndios

Estado de calamidade permanente

Rui Ramos

A demissão da ministra não é a solução de todos os problemas. Mas seria a solução de pelo menos um gigantesco problema: a falta de responsabilidade e de vergonha na governação. 

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site