Logo Observador
Viral

Vídeo. Perca 20 minutos para ver a história resumida do mundo inteiro (em tom irónico)

213

O universo nasceu há 14 mil milhões de anos, mas um vídeo no YouTube conseguiu resumir tudo (mesmo tudo) em vinte minutos. E sempre num tom tão insólito quanto cómico. Veja-o aqui.

YouTube

“Olá. És uma rocha a flutuar no espaço. Mesmo fixe, não é?”. É assim que começa o vídeo com vinte minutos onde o youtuber Bill Wurtz resumiu a História do mundo inteiro. A História toda. Mesmo, mesmo toda. Desde a criação do universo até às mais recentes alterações climáticas. São quase 14 mil milhões de anos condensados em vinte minutos. Sempre num tom peculiar, irónico e jocoso. Mas que valem mesmo os 20 minutos que tem de perder. E que seriam de uma enorme utilidade em qualuqre escola primária.

“History of the entire world, i guess” é o nome do vídeo que, ao fim de doze dias online, já conquistou quase 18 milhões de visualizações. Começa com a formação do Universo, o nascimento da vida na Terra, as conquistas e cruzadas, as religiões e os nossos Descobrimentos, as doenças e a organização social desde que o mundo é mundo. E, no meio de gargalhadas que vai arrancando com a típica abordagem satírica de Bill Wurtz, deixa os internautas aprender um pouco mais sobre o passado.

Em vinte minutos, Bill Wurtz conta a história dos Estados Unidos, do Japão, da China (império que se faz e desfaz), da Índia e de Portugal (incluindo as rivalidades com Espanha durante a conquista de novos mundos). Pelo meio, fala sobre os grandes impérios que dominaram o planeta, os negócios de especiarias e metais, os grandes reis e os eventos mais preponderantes para a História global.

Pode ver o vídeo aqui em baixo e encontrar outros a partir deste link. Garantimos-lhe que não é empo perdido. Pormenor: é em inglês.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt
Política

Desterritorialização e extra-territorialidade

António Covas

Nesta batalha já longa entre o mercado global e a democracia doméstica, a desterritorialização e a extra-territorialidade convertem-se nos principais adversários do velho Estado-nação vestefaliano.