Logo Observador
Destinos

O Alentejo está entre os 10 melhores destinos europeus para a Lonely Planet

1.166

A Lonely Planet enumerou os 10 melhores destinos europeus a visitar em 2017. O Alentejo faz parte da lista pelo seu património arquitetónico, a costa recortada, as vilas medievais e, claro, a cozinha.

A Lonely Planet enumerou os 10 melhores destinos europeus a visitar em 2017. O Alentejo está nessa lista devido à sua “beleza intemporal” e o guia de viagens destaca os castelos, a costa, as vinhas, o património e a cozinha da região, entre outros pontos de interesse.

Entre os 10 escolhidos há destinos para todos os gostos: desde o turismo rural às praias, passando por locais considerados Património Mundial da Unesco (como o Alentejo, outra vez). Aqui segue a lista:

1. Zagreb, Croácia

Se vai até à Croácia é provável que faça um desvio até à costa, mas a capital não deve ser esquecida, escreve a Lonely Planet. Zagreb é simultaneamente cosmopolita e agitada, cheia de praças repletas de sol e sítios para beber café. Um dos destaques do guia de viagens vai para um abrigo de bombas que remonta à Segunda Guerra Mundial, reaberto recentemente. Mas não é tudo: também a comida e a cerveja artesanal são pontos a considerar. Com a abertura do aeroporto de Zagreb e de novas rotas aéreas não faltam razões para voar até à capital croata.

2. Gotland, Suécia

Em Gotland podemos contar com uma densidade de locais históricos, tal como um sol radiante que ilumina a cidade, sem esquecer os restaurantes conceituados de Visby. A ilha báltica tem ainda paisagens deslumbrantes, com pastos, florestas, aldeias de pesca e praias. Já em junho realizam-se os Island Games de 2017.

3. Galiza, Espanha

Santiago de Compostela é o destino certo não só para peregrinos mas para quem procura as paisagens verdes da Galiza. Poucos são, no entanto, aqueles que conhecem este cenário como uma mais valia gastronómica e cultural, escreve a Lonely Planet. A Galiza vale quase como um país independente e tem a sua própria língua, história e música. Praias, penhascos e pequenas aldeias piscatórias são outras das atrações a visitar. Uma última dica do guia: não deixe de provar o vinho galego nem os frutos do mar.

4. Norte de Montenegro

Aqui a Lonely Planet destaca os cruzeiros em fila na baía de Kotor. Quem for mais corajoso também pode atravessar o desfiladeiro mais profundo da Europa, em Tara, ou percorrer as paisagens lunares. Os apaixonados pela gastronomia podem apreciar os queijos de montanha e os guisados de carne. Os fãs de história também podem fazer uma peregrinação aos mosteiros de Ostrog ou de Moraca.

5. Leeds, Reino Unido

Alerta apreciadores de cerveja, das artes e notívagos — mas não só. A cidade inglesa tem atraído quem procura uma alternativa a Londres e não faltam lojas, cafés e restaurantes inovadores abertos nos últimos tempos. A Lonely Planet recomenda que agende a sua visita com tempo e marque na agenda o festival de comida indie, já em maio, a reabertura da principal galeria de arte da cidade e o 50º aniversário do Carnaval de Leeds.

6. Alentejo, Portugal

E aqui está o destino português que o The New York Times já tinha debaixo de olho em 2015. Segundo a Lonely Planet, há vários motivos que justificam que o Alentejo seja um dos destinos a visitar em 2017, nomeadamente: os castelos construídos em penhascos, a costa recortada, as iguarias gastronómicas, as vinhas, os monumentos megalíticos pré-históricos e as maravilhas ocultas como o templo romano e a Capela dos Ossos, ambos em Évora. A juntar a tudo isto, o guia de viagens destaca as guesthouses criativas (como a Train Spot, numa antiga estação de comboios, de que já lhe tínhamos falado aqui), a Rota Vicentina e os restaurantes criativos como iniciativas que têm valorizado cada vez mais a região, ajudando a colocá-la no radar dos turistas.

Alentejo é uma região a visitar em 2015, diz o The New York Times

7. Norte da Alemanha

Para fugir à capital Berlim, aqueles que visitem a Alemanha podem optar por experimentar o Norte do país, sugere a Lonely Planet. Isto porque é no Norte que podem encontrar a sala de concertos Elbphilharmonie de Hamburgo, com uma riqueza arquitetónica e acústica. Se for fã, também pode dar um saltinho às praias.

8. Moldávia

O Lonely Planet chama-lhe “o país das adegas secretas” e dos mosteiros situados em penhascos. Pouco visitado, mas muito surpreendente. O guia de viagens destaca a Exposição de Vinhos anual mas também o passado histórico da Moldávia.

9. Pafos, Chipre

É a capital Europeia da Cultura em 2017 e a distinção traz consigo uma especial atenção e um investimento cultural significativo para valorizar a região. Esta “ilha de Afrodite” traz um passado histórico repleto de catacumbas, templos, castelos, mosaicos romanos e locais que são Património Mundial da Unesco, como o Túmulo dos Reis ou a arquitetura do parque arqueológico Kato Pafos.

10. Le Havre, França

Por último, escreve a Lonely Planet que em 2017 Le Havre é um sítio a não perder, ou não fosse este ano a celebração do 500º aniversário da cidade, a ser comemorado com uma festa de cinco meses e muitos concertos, instalações de arte ao ar livre, desfiles de rua e espetáculos de fogo-de-artifício. Apesar da idade, a cidade é um esplendor de arquitetura moderna, tendo sido completamente reconstruída após a Segunda Guerra Mundial, avança o guia. Entre os locais a visitar estão a praia onde se deu o desembarque da Normandia no Dia D e os penhascos pitorescos de Étretat.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Fogo de Pedrógão Grande

“Para inglês ver”

Paulo Tunhas

Quando toda a energia do Governo é em última análise canalizada para a manutenção do seu apoio, é fatal que o Estado se degrade e a pouco e pouco, se fragmente, se transforme em algo para inglês ver. 

Ásia

A Índia de Modi

Diana Soller

A política externa da Índia para os Estados Unidos, até hoje, pode ser resumida em três R: Ressentimento, Reciprocidade e Reconhecimento.

caderno de apontamentos

Educação e autarquias

Abel Baptista

Com a descentralização, não poderão as autarquias tornar-se mais competitivas entre si, e oferecer meios de ensino de melhor qualidade, com soluções adaptadas às circunstâncias do concelho e região?