Logo Observador
Irina Shayk

Cannes. Irina Shayk em boa forma na passadeira vermelha dois meses depois de ser mãe

Irina Shayk esteve no centro das atenções esta terça-feira na passadeira vermelha de Cannes, onde desfilou num modelo Versace personalizado. A top model russa foi mãe há cerca de dois meses.

Irina Shayk viajou sozinha para Cannes

Pool/Getty Images

Irina Shayk regressou às passadeiras vermelhas depois de, em março, ter sido mãe pela primeira vez, com o ator norte-americano Bradley Cooper. Irina foi fotografada num vestido amarelo carregado de brilhantes, feito à medida pela casa italiana Versace, exibindo boa forma apenas dois meses depois do parto.

A modelo da Victoria’s Secret não poupou elogios ao vestido e agradeceu a Donatella Versace no seu Instagram.

É tão bom voltar a Cannes com a minha família L’Oreal. Não consigo agradecer o suficiente a Donatella Versace por este lindo vestido personalizado.”

Irina na passadeira vermelha da estreia de “Hiraki” (Neilson Barnard/Getty Images)

Irina conteve-se até ao fim nos comentários sobre a sua gravidez. O mundo descobriu que estava grávida quando a viu desfilar no Victoria’s Secret Fashion Show no ano passado e desconfiou da barriga (já Beyoncé o tinha feito nos Video Music Awards). A gravidez confirmou-se e a modelo de 31 anos foi mãe de uma menina em março, fruto da relação com o ator Bradley Cooper.

Já nessa altura uma fotografia do seu corpo pós-parto dividiu as redes sociais. De um lado, os fãs impressionados com a recuperação física da modelo e, do outro, alguns céticos, que questionaram a autenticidade da fotografia.

Corpo pós-parto de Irina Shayk divide as redes sociais

Apesar da salvaguarda da sua vida pessoal nas redes sociais, a modelo chegou a dizer que ser mãe é “uma das coisas mais importantes no mundo”, numa entrevista à revista Hello!. “Eu acho que a família é o nosso motivo para estarmos neste mundo”, acrescentou.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Amor

A lição que Portugal deveria aprender com o Brasil

Ruth Manus
215

Foi aí que percebi que “eu te amo” seria uma belíssima solução para o amor português. Na verdade, nós no Brasil nem falamos o “eu”. Basta o “te amo”. O que importa é que é uma expressão fácil.