Logo Observador
Crise Política no Brasil

Confrontos entre polícia e manifestantes em protesto contra Temer em Brasília

Confrontos entre a polícia e participantes numa manifestação estão a marcar um protesto nas ruas de Brasília contra o Presidente Michel Temer.

Joedson Alves/EPA

Confrontos entre a polícia e participantes numa manifestação estão a marcar um protesto nas ruas de Brasília contra o Presidente Michel Temer.

O protesto começou pacífico, mas degenerou em violência quando os manifestantes se aproximaram do edifício do Congresso e a polícia tentou conter o avanço disparando balas de borracha e granadas de gás lacrimogéneo. Polícias a cavalo tentaram também impedir a marcha dos manifestantes, que responderam arremessando pedras e incendiando caixotes do lixo.

Os organizadores do protesto, as frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo, União Geral dos Trabalhadores (UGT) e Nova Central Sindical de Trabalhadores (NCST), reivindicam que a presença de pelo menos 150 mil pessoas. A manifestação visava inicialmente protestar contra reformas liberais promovidas pelo Governo, mas nos últimos dias o pretexto passou também a ser a destituição de Michel Temer e a realização de eleições diretas no país.

O chefe de Estado brasileiro, que já enfrentava uma taxa baixíssima popularidade, com aprovação de apenas 9% da população segundo o instituto de pesquisa Datafolha, viu a sua situação política complicar-se após a revelação do seu suposto envolvimento num esquema de corrupção envolvendo a produtora de proteína animal JBS.

Nova acusação contra Lula da Silva por corrupção e lavagem de dinheiro

A suspeitas de corrupção investigadas pela operação judicial Lava Jato estenderam-se no dia 18 de maio ao Presidente brasileiro, Michel Temer, com a abertura de um inquérito no Supremo Tribunal Federal (STF). Em causa está uma gravação de uma conversa entre o empresário Joesley Batista, da empresa JBS, e Temer sobre o alegado pagamento de uma mesada ao ex-deputado Eduardo Cunha, que presidiu ao Congresso (parlamento) e principal aliado de Temer no afastamento de Dilma Rousseff da Presidência.

Nessa conversa, segundo os áudios divulgados, o Presidente terá recomendado ao empresário “manter” o pagamento de uma verba regular àquele dirigente do seu partido, que está acusado de vários crimes de corrupção. Temer sucedeu há um ano a Dilma Rousseff, de quem era vice-Presidente, mas, desde então, vários aliados têm sido atingidos pela operação judicial, por suspeitas de corrupção e de receberem pagamentos ilegais.

A degradação da situação política no país tem levado muitos dirigentes a exigirem eleições presidenciais (diretas ou via parlamento), já que Temer não tem um vice-Presidente que o substitua no caso de abertura de um ‘impeachment’, um processo de afastamento judicial do cargo.

Após a divulgação do áudio, Michel Temer recusou, em mais do que uma declaração ao país, apresentar a demissão e já pediu a suspensão da investigação até que seja verificada a autenticidade da gravação.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt