Férias

Ainda não reservou as férias? 10 destinos económicos de última hora

168

Planear as férias só com um mês de antecedência não tem de ser sinónimo de mais despesas. Analisámos os custos de 54 destinos para eleger as opções mais baratas para o final de junho.

A África do Sul é um dos destinos mais baratos fora da Europa.

AFP/Getty Images

Há motivos de sobra para ainda não ter reservado as suas férias de verão, incluindo ainda não ter recebido a devolução do IRS. Mas, marcar agora os voos e o hotel para uma semana de descanso na última semana de junho, que se estende para julho, não tem de ficar muito caro. Felizmente, o euro fortaleceu-se face às principais divisas estrangeiras desde o início do ano, tornando as viagens para fora do euro mais económicas.

O Observador analisou os custos de transporte, estadia e alimentação para 54 destinos populares para lhe dizer quais são os mais económicos para os viajantes de última hora. Estimámos o custo de uma viagem entre os dias 27 de junho e 3 de julho. Pesquisámos os voos mais baratos para a cidade servida pelo aeroporto de cada país com mais tráfego internacional ou para a capital. Usámos o motor de pesquisa do Skyscanner. Calculámos a média do custo de cinco noites em cinco hotéis de quatro estrelas na mesma cidade. A pesquisa usou o comparador Trivago, filtrando pelos hotéis com classificação mais alta e, sempre que possível, a cinco quilómetros do centro da cidade.

Para somar as despesas alimentares, aplicámos o índice Big Mac: um estudo da revista The Economist que reúne e compara os preços mundiais dos hambúrgueres da McDonald’s. Nas simulações, assumimos uma despesa por refeição equivalente a cinco vezes o preço local de um Big Mac – em Portugal, as refeições ficariam em 15,25 euros. Não recomendamos, claro, que os turistas comam unicamente hambúrgueres. Os Big Mac servem apenas como referência para a despesa em restaurantes.

Europa

A proximidade dos destinos europeus reduz os custos de transporte nas férias. Quem tem o orçamento mais apertado deve preferir descansar na Europa.

Istambul, Turquia

A Mesquita do Sultão Ahmed (conhecida como Mesquita Azul) é um dos edifícios mais fotogénicos de Istambul.

Não está totalmente dentro da Europa: Istambul está dividida entre o Velho Continente e a Ásia pelo estreito do Bósforo. Os vários atentados na Turquia, que são o reflexo da atividade militar em território sírio, têm pressionado o turismo em Istambul. Essa pressão conduziu à baixa de preços dos hotéis, que são os mais reduzidos entre os 54 destinos analisados. Os voos não retiram a vantagem económica de visitar Istambul: é possível comprar um bilhete de ida e volta para o aeroporto Atatürk por menos de 230 euros.

Kiev, Ucrânia

O Mosteiro de Kiev-Petchersk é o local mais visitado pelos turistas em Kiev.

A capital ucraniana pode ser vista como um destino aventureiro, em particular devido às tensões entre a nação e a Rússia e as forças separatistas. No entanto, a secretaria de Estado das Comunidades Portuguesas do Ministério dos Negócios Estrangeiros apenas desaconselha os viajantes nacionais a evitarem as deslocações às regiões no leste e no sul da Ucrânia. Kiev posiciona-se a norte, a cerca de 100 quilómetros da Bielorrússia.

Kiev prima pelos preços baixos nos restaurantes e nos hotéis: ambos são os segundos mais baratos entre os 54 destinos avaliados pelo Observador.

Varsóvia, Polónia

A Coluna de Sigismundo, em frente ao Castelo Real de Varsóvia, é um dos principais pontos turísticos da capital polaca.

Varsóvia foi destruída na Segunda Guerra Mundial, mas o ritmo de recuperação foi acelerado. Pode ser ainda um trampolim para conhecer Cracóvia, a 300 quilómetros, e o litoral de Gdansk, 40 quilómetros mais longe. É nos preços dos voos que a capital polaca mais surpreende: combinando duas companhias aéreas de baixo custo, a easyjet e a Wizz Air, é possível ir e vir ao aeroporto Chopin por cerca de 120 euros por pessoa com uma escala em Bruxelas ou Londres.

Frankfurt, Alemanha

Vista noturna do Rio Meno, em Frankfurt.

Frankfurt é o destino mais barato para quem não quer fazer conversões cambiais. A cidade, onde se situa a sede do Banco Central Europeu, não é barata ao nível dos restaurantes e hotéis. Todavia, os voos estão entre os mais baratos: 120 euros para um bilhete de ida e volta para o aeroporto Frankfurt–Hahn, que, no entanto, está a cerca de 120 quilómetros do centro da cidade.

Budapeste, Hungria

A ponte Széchenyi liga Buda e Peste sobre o Danúbio.

Budapeste, a capital da Hungria, é a principal razão para as viagens turísticas para o país. Desde a cozinha, que se expande muito além do goulash, à arquitetura, em particular Art Nouveau, passando pelos vários estilos de banhos públicos, como turcos e modernos, há muito para ver e viver em Budapeste. Os restaurantes são cerca de 5% mais baratos do que em Portugal, segundo o índice Big Mac, os hotéis os sétimos mais económicos entre os 54 destinos analisados e os preços dos voos começam nos 132 euros.

Fora da Europa

O custo de voar para fora da Europa é mais elevado (entre o dobro e o triplo, em média), mas é, muitas vezes, compensado pelas reduzidas despesas em restauração e estadia.

Dubai, Emirados Árabes Unidos

O panorama da costa do Dubai revela o edifício mais alto do mundo, o Burj Khalifa (às esquerda), o hotel de luxo Burj Al-Arab (ao centro) e o Jumeirah Beach Hotel (à direita).

A queda do dirame dos Emirados Árabes Unidos pode ser uma oportunidade para os turistas portugueses visitarem o Dubai. A divisa emiradense desceu mais de 6% face ao euro desde o início do ano. Com esta evolução, a despesa em restaurantes pode ser apenas 4% superior ao que seria em Portugal. Também é possível usufruir de um dos hotéis de quatro estrelas mais altos do mundo, como o Rose Rayhaan by Rotana, por menos de 90 euros por noite.

Joanesburgo, África do Sul

A visita ao Kruger National Park custa cerca de 20 euros por dia para cada adulto, mas as despesas sobem se quiser pernoitar na reserva.

Está mais barato visitar a África do Sul. É possível comprar uma viagem para Joanesburgo, com uma escala obrigatória numa capital europeia, por pouco mais de 400 euros. A esta baixa de preços juntam-se as despesas reduzidas em alimentação e em alojamento em Joanesburgo. Todavia, é pouco provável que os gastos de uma família que visite a África do Sul se resumam ao transporte, à comida e à dormida. A nação é conhecida pela sua oferta na área da Natureza, com o Kruger National Park a liderar as atrações turísticas.

Banguecoque, Tailândia

É possível reservar um quarto duplo no SO Sofitel Bangkok, que tem esta piscina, por 132 euros a noite.

Comer e dormir em Banguecoque, na Tailândia, é relativamente barato. Aliás, pode ser mais barato do que uma visita às principais cidades portuguesas, como Lisboa e o Porto. Um Big Mac nos restaurantes McDonald’s de Banguecoque custa praticamente o mesmo que em Portugal. Um quarto duplo num hotel de quatro estrelas na capital tailandesa custa, em média, 90 euros por noite. A maior despesa são, naturalmente, as passagens aéreas. Mesmo assim, 560 euros podem ser suficientes para visitar Banguecoque no final de junho e início de julho, fazendo uma ligação aérea em Amesterdão na companhia KLM.

Cairo, Egito

A Grande Esfinge protege a entrada do Planalto de Gizé.

Entre os 54 destinos avaliados pelo Observador, o Cairo é o que tem o indicador de custos de refeições mais baixo. Um hambúrguer Big Mac na capital egípcia custa menos de metade do preço praticado em Portugal. Não se restrinja aos restaurantes McDonald’s: vale a pena experimentar o centenário kushari – um prato tradicional composto por arroz, massa, grão, tomate, cebola e lentilhas – e arriscar na cozinha egípcia mais moderna.

Quem visita o Cairo é obrigado a visitar algumas pirâmides, a Grande Esfinge de Gizé e o Museu Egípcio, que alberga o tesouro do faraó Tutancámon. Mesmo isso é barato: a entrada no museu ou o acesso ao Planalto de Gizé (que inclui várias pirâmides e túmulos) custa, no máximo, cerca de três euros por pessoa.

Kuala Lumpur, Malásia

Os 88 andares das Torres Petronas, que já foram as mais altas do mundo, dominam o horizonte da cidade.

A distância entre Portugal e a Malásia, cerca de 11.500 quilómetros, coloca o preço da viagem para a capital malaia entre os mais altos. O bilhete de ida e volta custa, pelo menos, 700 euros. Todavia, as despesas respeitantes a refeições e estadia equilibram o orçamento: ambas estão entre as mais baixas. É possível reservar uma noite num hotel de quatro estrelas por cerca de 80 euros. Se estiver disposto a pagar mais, pode ficar mesmo à beira das Torres Petronas: uma noite no Mandarin Oriental de Kuala Lumpur, que fica logo atrás da terceira torre (à direita na fotografia), custa cerca de 115 euros.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: dalmas@observador.pt
Férias

O Sport-Billy não tinha filhos

Tiago Duarte
1.373

Há um dia em que um filho se transforma em pai e verifica que está sozinho. Só ele, a mala do carro e uma montanha de sacos e saquinhos que a sua mulher vai depositando na entrada da casa.

Açores

O despertar da bela adormecida?

Maria João Avillez
645

E sobre isso, um véu de melancolia tão pesado e uma solidão tão desolada que moldaram os poetas, politicos e pintores que os Açores nos deram.

Família

O cabanão (segunda crónica estival)

Maria João Avillez
205

Mas a quem preocupa hoje o esmorecimento do modelo tradicional familiar se ele é propagado como tendo passado de moda, saído de linha, estar “descontinuado”?

Família

O stress das férias

Laurinda Alves
994

Há clássicos eternos que podem ser evitados ou, pelo menos, minimizados se as prioridades forem bem geridas em férias. Nomeadamente se formos capazes de desligar telemóveis e computadores.

PS

Miscelânea de férias

Maria João Marques
1.612

Gabriela Canavilhas é uma política socialista exemplar. Tem arrogância (daquela não proveniente de méritos próprios) em abundância e não percebe patavina da maioria dos assuntos de que debita palavras

Incêndios

Estado de calamidade permanente

Rui Ramos
1.856

A demissão da ministra não é a solução de todos os problemas. Mas seria a solução de pelo menos um gigantesco problema: a falta de responsabilidade e de vergonha na governação. 

Incêndios

Autoproteja-se o senhor!

Laurinda Alves
6.701

Autoproteja-se a si mesmo enquanto é tempo, senhor secretário de Estado da Administração Interna, porque aquilo que os senhores estão a gerar é um perverso sistema de Desprotecção Civil.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site