Logo Observador
Sono

E se pudesse fazer uma sesta num ginásio?

140

As sessões consistem em 45 minutos de sesta, acompanhada por uma música relaxante e alongamentos e são aconselhadas para os pais e mães que não descansam o suficiente.

As aulas são sempre as mesmas, com a mesma estrutura: 10 minutos de alongamento, 45 minutos para dormir e cinco minutos para acordar

Getty Images

As bicicletas de spinning dão lugar a camas, colchões e edredons quentinhos. A luz é fraca, a música relaxante e estão todos equipados com os seus pijamas. As sessões consistem em 45 minutos de sesta, acompanhada por uma música relaxante e alongamentos e são aconselhadas para os pais e mães que não descansam o suficiente. Mas, até há poucos minutos, esta sala estava repleta de pessoas a pedalar e ao som de música eletrónica. É este o ambiente que os alunos encontram na nova modalidade, a Napercise. É uma mistura entre os conceitos de Nap (sesta) e Exercise (exercício).

Esta aula é realizada na cadeia de ginásio britânica, David Lloyd Clubs, que parece ter descoberto os benefícios da típica sesta espanhola. O seu objetivo principal é oferecer ‘sestas’ aos pais que não têm tempo para descansar o suficiente. Entrevistas realizadas mostraram que 86% dos pais admitiu sentir fadiga e 26% afirmam que não chegam a dormir cinco horas por noite. Tudo isto combinado com o stresse, ansiedade e as longas horas de trabalho, acabam por afetar a vida das famílias modernas.

Estas razões levaram à criação desta aula, que está inserida no plano semanal dos seus ginásios. A duração da aula, 45 minutos, foi baseada na opinião de especialistas do descanso que consideram que este sono pode revitalizar a mente, o corpo e inclusive queimar calorias.

O El Español visitou um dos centros para conhecer melhor esta aula. O funcionamento é simples: veste um pijama, ou uma roupa com a qual se sinta confortável, e os primeiros 10 minutos são dedicados à prática de alongamentos (parecidos aos de yoga ou pilates), que tem por objetivo fazer com que os alunos entrem num estado de relaxamento mental. Todos os movimentos são acompanhados por músicas igualmente calmas. Depois, é hora de ir para a cama.

Pode parecer que saímos da nossa zona de conforto, mas a luz apaga-se e a música vai-se desvanecendo e o nosso corpo vai ficando mais relaxado até, finalmente, adormecermos. Os cinco minutos finais da aula são para acordar. Saímos da sala numa semi-consciência, vestimo-nos e voltamos à vida real.

Martin Tanner, é o personal trainer encarregue desta modalidade.

É um prazer ver que a mind cult [culto da mente] começa a ganhar um lugar nos ginásios. Não só através da atividade física e mental, mas apenas através da atividade mental”, afirmou o professor.

As aulas são sempre as mesmas, com a mesma estrutura: dez minutos de alongamento, 45 minutos para dormir e cinco minutos para acordar. O monitor está sempre presente na sala, para o caso de existir algum problema com algum aluno e também por razões de segurança. “Os alunos não ficam só pelo sono, ma também pelo relaxamento que se sente fora da sala”,acrescentou Tanner. Joshua experimentou a aula com a sua mulher e afirmou que não sentiu dificuldades em adormecer.

Temos duas crianças com menos de cinco anos em casa e pensei que seria muito complicado adormecer rodeado de pessoas. Mas não tivemos nenhum problema. Foi muito relaxante”,relatou o aluno.

Durante o início de maio as aulas foram levadas sob um regime experimental, mas com a adesão de mais de 100 candidatos, a Napercise já passou definitivamente para o horário semanal dos ginásios da capital britânica, Londres. Durante os próximos meses, há planos para introduzir pelo menos duas aulas.

Os alunos não pagam mais por frequentar esta aula, já que esta está já incluída na mensalidade dos ginásios, que ronda os 80 dólares (cerca de 92 euros).

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

A estranha geração dos adultos mimados

Ruth Manus

O fato de termos sido criados com cuidado e afeto pelos nossos pais, começou a confundir-se com uma espécie de sensação de que todos devem nos tratar como eles nos trataram.