Logo Observador
Celebridades

Olivia Newton-John diagnosticada com cancro na mama, pela segunda vez

150

Em 1992, Olivia Newton-John vencia uma luta contra o cancro na mama. 25 anos depois, a atriz volta a ser diagnosticada com o mesmo tipo de cancro. Newton-John viu-se obrigada a adiar a digressão.

Quinn Rooney/Getty Images

Olivia Newton-John foi novamente diagnosticada com cancro na mama. A informação foi divulgada esta terça-feira num comunicado publicado no Facebook da atriz natural da Austrália.

A atriz e cantora viu-se obrigada a cancelar a digressão nos Estados Unidos e Canadá marcada para o próximo mês, devido a fortes dores nas costas provocadas pelo cancro que entretanto já lhe afeta a coluna, segundo a informação que a própria atriz publicou. Os fãs que compraram bilhetes para os concertos serão reembolsados e as novas datas serão divulgadas nas próximas semanas.

Além de terapias de bem-estar naturais, Olivia vai completar uma terapia de radiação de fotões e está confiante de que estará de volta no final do ano, melhor do que nunca, para celebrar seus espetáculos”, pode ler-se no comunicado.

Há 25 anos, a atriz tinha sido diagnosticada com o mesmo tipo de cancro, no mesmo fim de semana em que o seu pai morreu com outra doença do foro oncológico. Newton-John foi submetida quimioterapia, mastectomia parcial e reconstrução mamária, acabando por superar.

Desde então, a protagonista de filmes como “Saturday Night Fever” tem estado envolvida em causas relacionadas com a doença e criou o Olivia Newton-John Cancer Wellness & Research Centre, um centro de bem-estar e pesquisa de cancro, em Melbourne, na Austrália.

Olivia Newton-John, de 68 anos, foi protagonista de filmes como “Grease” (“Brilhantina”, em português), ao lado do ator e cantor norte-americano John Travolta, de 63.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Desterritorialização e extra-territorialidade

António Covas

Nesta batalha já longa entre o mercado global e a democracia doméstica, a desterritorialização e a extra-territorialidade convertem-se nos principais adversários do velho Estado-nação vestefaliano.