Logo Observador
Crise Política no Brasil

Presidente do Brasil cita “conflito institucional” e pede para “trabalhar em paz”

O Presidente do Brasil, Michel Temer, disse que o país está a atravessar um "grande conflito institucional" e pediu para poder "trabalhar em paz".

Joedson Alves/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O Presidente do Brasil, Michel Temer, disse que o país está a atravessar um “grande conflito institucional” e pediu para poder “trabalhar em paz”, na cerimónia de posse do novo ministro da Justiça, Torquato Jardim.

Que o sistema Judiciário trabalhe sossegado. Vamos deixar o sistema Legislativo trabalhar em paz e vamos deixar [também] o executivo trabalhar em paz”, pediu o Presidente.

A declaração foi proferida na cerimónia de posse do novo ministro da Justiça, realizada em Brasília, em meio a uma tempestade política desencadeada por uma investigação sobre supostos atos de corrupção praticados por Michel Temer. Segundo o chefe de Estado, os avanços políticos que abalaram o Brasil “não têm conformidade com a ordem constitucional” e, por isso, é necessário “restaurar as instituições do país.”

Numa aparente referência à crescente pressão para a sua renúncia após um escândalo que envolveu a empresa JBS ser divulgado, Michel Temer voltou a enaltecer as melhorias económicas vividas pelo Brasil desde que ele assumiu o poder e as controversas reformas apoiadas pelo seu Governo.

As pessoas querem continuar o programa do Governo que começou há um ano” que “foi bem recebido por [atender] as necessidades do país”, disse.

Já Torquato Jardim, que antes ocupava o Ministério da Transparência, disse num breve discurso que “no Brasil um otimista pode estar errado, mas um pessimista está sempre errado. Na cerimónia, apesar de ser costume, não compareceu o agora ex-ministro da Justiça Osmar Serraglio, que se recusou a aceitar uma proposta de Michel Temer para assumir o Ministério da Transparência.

Osmar Serraglio anunciou que vai reassumir seu mandato deputado, até agora ocupado por seu vice, Rodrigo Rocha Loures, um dos envolvidos no escândalo de corrupção da JBS.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt