Logo Observador
Exposições

Vhils estende presença em Macau com exposição individual e novos murais

O artista Alexandre Farto, conhecido como Vhils, inaugurou esta quarta-feira a primeira exposição individual em Macau, acompanhada de uma série de murais.

CARMO CORREIA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O artista Alexandre Farto, conhecido como Vhils, inaugurou esta quarta-feira a primeira exposição individual em Macau, acompanhada de uma série de murais, um trabalho em que o artista português afirma ter saído da zona de conforto.

Com cerca de 30 peças, “Debris” ou “Destroços” é inaugurada esta quarta-feira nas antigas Oficinas Navais N.º 1, um espaço entretanto revitalizado e dedicado às artes e cultura na península de Macau, a poucos metros do Templo de A-Ma e do Museu Marítimo.

A mostra em Macau segue as linhas da primeira exposição individual em Hong Kong, no ano passado, igualmente designada “Debris”, e que foi fruto de um trabalho de quase dois anos de preparação no âmbito de uma residência artística que Vhils realizou na antiga colónia britânica.

Na exposição atual encontram-se, entre outros, retratos humanos em portas de madeira recolhidas das ruas de Macau, composições em metal, impressões com ácido, um vídeo em ‘slow motion’ de pessoas nas ruas da cidade e instalações (‘neons’ e ‘stencil’).

Algumas das peças foram feitas com novos recursos, com novas técnicas também, desde a parte do ácido que é aplicado no papel (…) à parte do vídeo”, disse à agência Lusa Alexandre Farto.

“Houve vários recursos novos que tive de utilizar para captar um bocadinho a essência do espaço urbano em Macau que está presente na exposição. Também me obrigou a sair da minha zona de conforto para conseguir criar este trabalho”, afirmou.

A ideia foi “fazer a ponte entre dois territórios e refletir sobre isso: sobre as diferenças, sobre as coisas que os aproximam, mas sobretudo uma reflexão sobre o espaço urbano e o impacto que ele tem em nós enquanto pessoas”. “Debris”, nas Oficinas Navais, conta também com um mural no qual sobressai um rosto feminino. Vhils assina ainda outros quatro murais nas ruas da cidade, dando particular relevo a caras ou a pormenores do rosto como os olhos.

Dois dos murais estão na Escola Portuguesa de Macau e igual número na vila da Taipa. Um desses, na parte velha da Taipa e não muito distante da zona dos novos casinos, chamou a atenção de Mickey, natural de Hong Kong, que vive e trabalha em Macau. “É muito interessante, muito atrativo, gosto muito”, disse à agência Lusa.

A técnica de Vhils de escultura em baixo-relevo, com remoção das camadas superficiais das paredes, também não passou despercebida ao homem com mais de 50 anos, que trabalha na área de arquitetura e design de interiores. “É muito interessante porque ele removeu a pintura e criou uma imagem de uma mulher bonita. O cabelo e o ‘background’, incluindo o [altar na parede] do deus das portas, é muito interessante”, afirmou, observando a coexistência entre a tradição e a arte.

Esta é a segunda intervenção de Vhils em Macau, depois da estreia em 2016 com um mural de Camilo Pessanha no consulado de Portugal. “Debris” está patente ao público em Macau entre 1 de junho e 5 de novembro. A exposição vai “crescendo em número de peças, que vão estar em confronto umas com as outras”, criando um “diálogo e reflexão ainda mais profunda”. O objetivo é levar “Debris” a outras cidades, adiantou Alexandre Farto, sem adiantar detalhes, porque “ainda não está totalmente fechado”.

Entretanto, o artista português está concentrado na próxima exposição, a primeira a título individual em Pequim, entre 30 de junho e 23 de julho, no Cafa Art Museum. Além de várias criações em Portugal, Alexandre Farto tem trabalhos em países e territórios como a Tailândia, Malásia, Hong Kong, Itália, Estados Unidos, Ucrânia, Brasil.

Nascido em 1987, Alexandre Farto cresceu no Seixal, onde começou por pintar paredes e comboios com ‘graffiti’, aos 13 anos, antes de rumar a Londres, para estudar Belas Artes, na Central Saint Martins. Em 2014, inaugurou a sua primeira grande exposição numa instituição nacional, o Museu da Eletricidade, em Lisboa: “Dissecação/Dissection” atraiu mais de 65 mil visitantes em três meses.

Esse ano ficaria também marcado pela colaboração com a banda irlandesa U2, para quem criou um vídeo incluído no projeto visual “Films of Innocence”, editado em dezembro de 2014, e é um complemento do álbum “Songs of Innocence”. Em 2015, o trabalho de Vhils também chegou ao espaço, através da Estação Espacial Internacional, no âmbito do filme “O sentido da vida”, do realizador Miguel Gonçalves Mendes.

Paralelamente ao desenvolvimento da sua carreira criou, com a francesa Pauline Foessel, a plataforma Underdogs, projeto cultural que se divide entre arte pública, com pinturas nas paredes da cidade, e exposições dentro de portas, em Lisboa.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt