Logo Observador
Beleza e Bem Estar

Spray, leite, óleo, creme… que protetor solar escolher?

Na teoria, vão todos agir da mesma forma: proteger dos raios solares. Mas na prática, as diferentes texturas existem para responder a vários tipos e necessidades da pele. Saiba como escolher.

Autor
  • Helena Magalhães

Se é daquelas pessoas que chega à prateleira dos protetores solares e fica a olhar sem saber ao certo qual escolher, calma, não é a única. Tal como os cremes de corpo têm várias texturas, faz sentido que também o haja na categoria dos solares. Na teoria, são todos iguais uma vez que vão atuar no mesmo: proteger dos raios UV. Mas na prática, as diferentes texturas vão responder a diferentes necessidades da pele.

Embora exista toda uma nova geração de protetores solares, a The American Academy of Dermatology recomenda (para quem não tem muito tempo para pesquisar estas novas fórmulas) que se usem protetores que ofereçam três particularidades: proteção contra UVB e UVA, fator superior a 30 e resistente à água. Com isto, já estamos seguros. Mas depois vem a história do costume: comprar um óleo, um spray, um creme, um leite ou um stick?

As inovações dos protetores solares da nova geração

O protetor em creme

É melhor para quem tem pele seca e para o rosto porque, tal como nos produtos de corpo, são mais hidratantes e gordos. Os ingredientes vão ser os mesmos de um leite (ou loção), a consistência é que muda.

O protetor em leite ou loção

A maioria dos protetores solares no mercado vem em formato de leite por ser fácil de aplicar, ter uma textura meio aveludada e não secar a pele. A única desvantagem é que, muitos, podem-na deixar gordurosa, o que vai colar a areia (o chamado efeito croquete).

O protetor em spray

Normalmente têm álcool, então não são gordurosos e são os melhores para os homens porque são fáceis de aplicar na pele peluda. Além disso, têm um efeito matificante sem brilho. O único ponto negativo é que muitos não necessitam que se esfregue, o que impossibilita saber se a aplicação cobriu a pele toda. Por serem as fórmulas favoritas nas crianças, é importante que os pais escolham sprays com cor (brancos) para conseguirem controlar a aplicação no corpo todo. Os cremes e loções, neste aspeto, podem fornecer uma cobertura mais profunda já que é preciso realmente esfregar a pele.

O protetor em óleo

É uma tendência dos últimos anos e favorita entre as mulheres porque, ao contrário dos sprays, deixam a pele brilhante e macia.

O protetor em stick

São bons para zonas específicas e pequenas como os lábios ou o contorno dos olhos. E também para tapar sinais e cicatrizes.

Alguns são melhores que outros?

Não. Desde que tenham um fator superior a 30 (e nós diríamos mesmo 50), o ideal será cada pessoa escolher a textura com a qual se sente mais confortável. Relembramos algumas informações:

  • Tem pele acneica ou oleosa? Use um protetor oil-free de efeito matificante e rápida absorção.
  • Tem pele seca? Aposte em fórmulas cremosas e gordas.
  • Tem pele sensível? Os protetores biológicos, hipoalergénicos e minerais são os melhores.
  • Nas crianças? Sprays, fator 50, com cor, à prova de água e de longa duração.
  • A não ser que o produto diga que se pode aplicar no corpo todo, jamais use um protetor de corpo no rosto porque vão ter ingredientes diferentes.
  • Pratica desporto ao ar livre? Escolha produtos à prova de água e suor, no fator mais alto que encontrar e aposte em sprays para ser mais prático de aplicar.
  • Protetor anti-idade? Sim, a partir dos 25 anos todas as mulheres podem usar protetores faciais que protejam o ADN da pele e digam especificamente “anti-aging”.
  • Apanhou um escaldão? Opte por produtos pós-solar em spray ou gel para uma ação calmante e uma sensação de leveza e resfriamento da pele.

Na fotogaleria, em cima, veja algumas sugestões de óleos, cremes, loções, sprays e sticks para todos os gostos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt