Logo Observador
Porsche

Ainda as emissões. Nem a Porsche parece escapar

Mais uma marca sob investigação por suspeita de manipulação dos valores das emissões poluentes dos seus modelos. As autoridades alemãs querem saber se a Porsche também participou no embuste.

Autor
  • António Sousa Pereira

Segundo a edição online da prestigiada revista alemã de informação económica Wirtschaftswoche, a entidade reguladora dos transportes na Alemanha (KBA) estará a investigar a Porsche por suspeitas de manipulação dos testes de emissões dos seus modelos. A KBA pretenderá apurar se a marca de Estugarda fez uso um software ilegal capaz de, através dos movimentos operados sobre o volante, identificar se o veículo estaria a ser sujeito a um teste de emissões, levando a que este se comportasse de molde a cumprir com os limites legalmente impostos.

A Porsche negou já, por um lado, ter conhecimento de tal relatório e, por outro, que alguma vez tenha recorrido a dispositivos ilegais para deturpar os testes de emissões. “Podemos confirmá-lo para todos os modelos da Porsche: não estamos a utilizar os movimentos da direcção com o intuito de detectar um teste e ao mesmo reagir”, declarou a marca de desportivos, pertença do Grupo Volkswagen, em comunicado enviado por e-mail.

Instada pela publicação germânica a comentar o tema, a KBA remeteu para o Ministério dos Transportes mais explicações, o qual, por sua vez, declinou prestar qualquer esclarecimento. Convirá recordar que este ministério decidiu, no final da passada semana, acusar a Audi de usar software ilícito em algumas das versões do A7 e do A8, nas quais foram detectadas emissões de óxidos de azoto (NOx) superiores ao previsto e homologado sempre que rotação do volante era superior a 15 graus.

Recomendador: descubra o seu carro ideal

Não percebe nada de carros, ou quer alargar os horizontes? Com uma mão-cheia de perguntas simples, ajudamo-lo a encontrar o seu carro novo ideal.

Recomendador: descubra o seu carro idealExperimentar agora
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt