Livros

Câmara de Óbidos diz que “nunca houve verba desviada porque nunca houve uma verba atribuída diretamente ao FOLIO”

A Câmara de Óbidos garante que "nunca houve uma verba atribuída diretamente ao FOLIO" e que sempre foi sua intenção "avançar para a sustentabilidade do evento". Turismo do Centro não se pronuncia.

O festival realiza-se de 19 a 29 de outubro e terá como tema "Revolução, revolta e rebeldia"

ANDRÉ MARQUES / OBSERVADOR

Nunca houve verba desviada porque nunca houve verba atribuída diretamente ao FOLIO.” É assim que a Câmara Municipal de Óbidos responde às declarações de José Pinho, curador do festival literário, que revelou ao Diário de Notícias que o evento ia sofrer um corte de 250 mil euros, verba que foi desviada para “a promoção do surf” na região centro.

De acordo com o responsável, o financiamento tem vindo a diminuir desde a primeira edição do festival literário, em 2015. Este ano, a Comunidade Intermunicipal do Oeste, “que têm uma palavra a dizer sobre o destino das verbas”, “votou por maioria que o dinheiro que seria para atribuir ao Festival Literário de Óbidos iria desta vez para o surf”. “Passámos a ter zero euros do grande patrocinador que era o Turismo do Centro de Portugal”, disse o dono da Ler Devagar ao Diário de Notícias.

Num comunicado emitido esta quarta-feira, a Câmara Municipal de Óbidos esclarece que “o Campeonato de Surf é um dos eventos âncora da região, assim como é o FOLIO e tantos outros eventos que se realizam no Oeste, como os dedicados ao vinho, à doçaria conventual, à agricultura, só para citar alguns dos muitos exemplos”.

Frisando que o evento conta, desde “a primeira hora”, com o apoio do Turismo do Centro e do Programa Operacional da Região Centro — Mais Centro, a autarquia afirma que apesar de ter havido um “forte investimento” na primeira edição, sempre foi sua intenção, “enquanto principal entidade organizadora do festival, de avançar para a sustentabilidade do evento”.

“Um evento como o FOLIO, com a importância e repercussão nacional e internacional que teve em apenas duas edições, sendo um dos mais importantes festivais culturais do País, tem, naturalmente, condições para poder alcançar essa sustentabilidade, até porque o FOLIO é feito com todos e por todos”, referiu ainda a autarquia, salientando que é “graças à participação, empenho e cumplicidade de todos”, que o FOLIO terá este ano “mais parceiros, mais países a participar, cidades criativas a colaborar e é sobre Revoluções”. O FOLIO realiza-se de 19 a 29 de outubro, e terá como tema “Revolução, revolta e rebeldia”.

Questiona sobre o modelo de financiamento da edição deste ano, a Câmara Municipal de Óbidos remeteu todas as questões para a conferência de apresentação do festival na sexta-feira, em Lisboa. Ao Observador, o Turismo do Centro disse que também não se pronunciaria antes dessa data.

Artigo atualizado às 18h27, de 7/6, com a resposta do Turismo do Centro

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt
Livros

Livros para o Natal (I)

João Carlos Espada

Três livros sobre a indispensável associação entre liberdade e sentido pessoal de dever.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site