Logo Observador
Lifestyle

Quanto mais ruges, menos me alegras

São do tamanho de um caniche, mas rugem como leões. Só garganta! O vozeirão destes macacos-uivadores custa-lhes caro.

Mariana Raño

É simples: quanto mais potente e profundo é o uivo destes macacos uivadores, menores são os seus testículos. Um capricho da Natureza.

Se falassem, certamente estes grandes rugidores perguntariam: mas porquê?! E é nesta altura que a seleção natural de Darwin entra em cena. É verdade que vivem rodeados de fêmeas. São machos dominantes e mandam no território. Mas são apenas capazes de um desempenho medíocre quando chegam ao momento de acasalar. A voz serve-lhes para encantar parceiras e afugentar quem ameace o seu harém e as suas crias, mas é pura fachada. E aqui é altura para dizer: qualquer semelhança com o mundo dos humanos é mera coincidência.

Mais sorte têm os macacos-uivadores de falinhas mansas. Têm de lutar pelas fêmeas e até partilhá-las às vezes. Rugem pouco, mas foram brindados com testículos pujantes e desempenho sexual invejável. Com tal desembaraço conseguem acasalar incansavelmente. Os mais silenciosos têm, assim, mais oportunidade de reproduzir-se e perpetuar os seus abençoados genes.

Estranho? O que não faltam são coisas estranhas na natureza!

Conteúdo produzido pelo OBS Lab. Para saber mais, clique aqui.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: obslab@observador.pt
Amor

A lição que Portugal deveria aprender com o Brasil

Ruth Manus

Foi aí que percebi que “eu te amo” seria uma belíssima solução para o amor português. Na verdade, nós no Brasil nem falamos o “eu”. Basta o “te amo”. O que importa é que é uma expressão fácil.