Logo Observador
Exercício Físico

1Fight: o ginásio que vai à luta e combate as calorias

146

Há um novíssimo clube na Avenida da República, em Lisboa, preparado para lutar pela boa forma com pontapés e murros. Chama-se 1Fight porque junta treinos de alta intensidade e artes marciais.

“Bem-vindos ao 1Fight”, cumprimenta Carla Natário à entrada do recente ginásio da Avenida da República, em Lisboa. “Antes da aula, mostro-vos o espaço?”, pergunta a diretora do clube que, desde o dia 26 de abril, cruza treinos de alta intensidade com técnicas de desporto de combate. A visita guiada começa no piso inferior, junto à sala de One Cross, onde encontra três estúdios diferentes: o champion (para as aulas de boxe, kickboxing, muay thai, krav maga e tonificação localizada); o insane (onde decorrem as aulas de spinning); e o beast com chão de tatami que recebe as aulas de MMA, jiu jitsu e ioga. No total, são 15 modalidades espalhadas pelos dois mil metros quadrados da antiga sede do Millenium BCP. Um dos cofres de dinheiro continua lá, pintado de amarelo, para lançar desafios aos sócios. “É a nossa caixa forte onde os participantes repetem vários exercícios até não aguentarem mais. Só saem quando tocarem um sino”, explica Carla.

Os profissionais que acompanham os sócios do 1Fight apostam num tipo de treino funcional, baseado nos desportos de combate e no método de “CrossFit”. (Foto: Henrique Casinhas/Observador)

“Este é um ginásio que vem preencher algumas lacunas no mercado. As artes marciais são uma tendência e o nosso objetivo é dar resposta à crescente procura de desportos de combate com modalidades fitness de alta intensidade”, explica a diretora do clube ao Observador. Para homens ou para mulheres? “Para todos até porque os anjos da Victoria’s Secret já provaram que os desportos de combate resultam mesmo e ainda libertam o stress“, responde Carla Natário. Segundo André Alvim, fundador do 1Fight, o projeto distingue-se porque “alia a motivação e desempenho dos treinos de combate com o espírito de equipa e a constante superação individual característica do treino funcional”. Como? Através de treinos diferentes todos os dias, adaptáveis às capacidades físicas e carregados de adrenalina. Mas atenção: dar murros e pontapés também tem técnica.

O objetivo a médio prazo é internacionalizar este projeto totalmente português. (Foto: Henrique Casinhas/Observador)

O piso superior, com cerca de 900 metros, conta com um ringue, sacos de boxe, máquinas de ginásio, passadeiras curvas e uma sala de Cross Fight. É lá que está André Silva, diretor técnico do clube, pronto a lecionar a nova aula de alta intensidade que junta crosstraining com murros e pontapés em sacos. “Já vamos treinar? Mas acabei de almoçar”, ouve-se comentar. “Não se preocupem porque temos dois baldes prontos para quem quiser vomitar”, afirma o instrutor e formador aos oito participantes Entre saltos à corda e burpees, arranca o aquecimento e juntam-se halteres e luvas de Mix Martial Arts à festa. Um minuto de descanso depois, está na hora dos famosos murros e pontapés contra pesados sacos de boxe e em cima de sacos de 60kg. “Vá força, não parem! Se eu vir alguém parado, vai pagar com flexões”, alerta o professor. “E não, não vale esconderem-se.”

No total são 1800 metros quadrados de espaço de treino, com salas de treino individualizado de elevada intensidade, salas de grupo e um ringue de boxe. (Foto: Henrique Casinhas/Observador)

Os gritos motivam os sócios a nunca desistir e as ameaças explicam o acompanhamento personalizado pela qual a filosofia da casa se rege. Uma hora depois, com algumas lágrimas de suor e nódoas negras à mistura, a música acalma e a instrutora Paula Moniz lidera os alongamentos. “Gostaram?”, questiona. “Sim, mas é um treino forte. Isto não é para quem anda a passear no ginásio“, confirma o fundador André Alvim. Daí que os quase 800 sócios do 1Fight sejam pessoas que gostam de chegar ao ginásio para descarregar energias como verdadeiros lutadores. Para recuperar, há uma sala de gelo a pensar nas lesões e uma cafetaria repleta de opções saudáveis. Em breve, poderá ainda visitar o terraço superior.

No piso superior encontra a receção, os balneários e uma cafetaria que serve pequenos-almoços e refeições saudáveis. (Foto: Henrique Casinhas/Observador)

“A médio prazo gostaríamos de internacionalizar o projeto”, confessa Carla Natário. A mensalidade, essa, ronda os 65€/mês em regime de livre trânsito e a fidelização é de apenas três meses. Existe ainda um passe semanal de 20€ e um passe quinzenal de 45€. A inscrição tem o custo de 49€ por pessoa e inclui avaliação física, consulta de nutrição e um kit de boas-vindas com todo o equipamento necessário para começar a treinar: saco, t-shirt, um shaker, uma luvas de boxe, outras de MMA e ligaduras. No futuro, chegará uma pulseira que, além de servir de cartão para entrar no ginásio, muda de cor consoante as avaliações físicas até chegar ao preto — à semelhança dos cinturões de judo. A diferença? Aqui vai-se à luta e queimam-se calorias.

Nome: 1Fight
Morada: Avenida da República, 42 (Campo Pequeno), Lisboa
Horário: De segunda à sexta das 7h às 22h, sábado das 9h às 19h e domingo das 9h às 14h
Telefone: 21 043 7920
Horário de aulas: Consulta online
Preço: 49€ (inscrição com kit de boas-vindas) + 65/mês (livre trânsito) ou 35€/mês (horário reduzido das 14h às 17h)

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ssilva@observador.pt
Política

Desterritorialização e extra-territorialidade

António Covas

Nesta batalha já longa entre o mercado global e a democracia doméstica, a desterritorialização e a extra-territorialidade convertem-se nos principais adversários do velho Estado-nação vestefaliano.