Logo Observador
Manuel Alegre

Alegre aclamado na Assembleia da República após distinção com Prémio Camões

O escritor Manuel Alegre foi ovacionado de pé por todas as bancadas parlamentares, que aprovaram por unanimidade um voto de saudação após a distinção do antigo deputado com o Prémio Camões 2017.

O Prémio Camões, instituído pelos Governos de Portugal e do Brasil, em 1988, e foi atribuído pela primeira vez em 1989, ao escritor português Miguel Torga

PEDRO NUNES/LUSA

O escritor Manuel Alegre foi esta sexta-feira ovacionado de pé por todas as bancadas parlamentares, que aprovaram por unanimidade um voto de saudação após a distinção do antigo deputado e ex-candidato à Presidência da República com o Prémio Camões 2017.

O parlamento decidiu assim homenagear “o percurso de Manuel Alegre, no momento em que recebe tamanho reconhecimento literário”, sua “Voz da Liberdade, desde Argel e da luta antifascista, passando pela [Assembleia] Constituinte até aos Combates da Democracia, onde disse sempre presente”, segundo o texto, apresentado pelo presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, que recebeu antes o também socialista junto ao salão nobre.

Manuel Alegre foi na quinta-feira declarado vencedor do Prémio Camões 2017, após uma reunião do júri na Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro.

O Prémio Camões, instituído pelos Governos de Portugal e do Brasil, em 1988, e foi atribuído pela primeira vez em 1989, ao escritor português Miguel Torga.

Como poeta, começou a destacar-se nas coletâneas ‘Poemas Livres’ (1963-1965). Mas o grande reconhecimento nasce com os seus dois volumes de poemas, ‘Praça da Canção’ (1965) e ‘O Canto e as Armas’ (1967), apreendidos pelas autoridades antes do 25 de Abril, mas com grande circulação nos meios intelectuais”, declarou o Governo português.

Esta é a 29.ª edição do Prémio Camões e o júri foi constituído por Paula Morão, professora catedrática da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, Maria João Reynaud, professora associada jubilada da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, Leyla Perrone-Moisés, professora emérita da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, José Luís Jobim, professor aposentado da Universidade Federal Fluminense e da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Lourenço do Rosário, reitor da Universidade Politécnica de Maputo e pelo poeta cabo-verdiano José Luís Tavares.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt