Logo Observador
Serviço Nacional de Saúde

Ministério quer dar telemóveis a médicos e enfermeiros do SNS no próximo ano

625

Médicos e enfermeiros dos centros de saúde vão ter telemóveis de serviço a partir de 2018/2019, o que pode facilitar contactos com utentes em caso de necessidade e se os médicos assim o quiserem.

Atualmente gastam-se dois milhões por ano na rede informática da Saúde e 3,5 milhões em serviços telefónicos

Hugo Delgado/LUSA

Médicos e enfermeiros dos centros de saúde vão ter telemóveis de serviço a partir de 2018/2019, o que pode facilitar contactos com utentes em caso de necessidade e se os médicos assim o quiserem.

O Ministério da Saúde vai lançar um concurso público internacional para reformular as redes informáticas e vai integrar neste âmbito telefones e telemóveis, disse à agência Lusa o presidente dos Serviços Partilhados do Ministério (SPMS), Henrique Martins.

O Serviço Nacional de Saúde tem uma rede informática própria, que liga hospitais e centros de saúde, e que tem uma capacidade e largura de banda que começa a ser necessário aumentar. Além disso, o concurso do atual operador chega ao fim dentro de um ano, havendo necessidade de se lançar outro.

Segundo explicou à agência Lusa o presidente dos SPMS, este contrato vai aproveitar para integrar a rede de telefone.

Utiliza-se este contrato para dar um telemóvel a praticamente todos os médicos do SNS, sobretudo nos cuidados de saúde primários. Queremos que em 2018, 2019 a maior parte dos centros de saúde e unidades de saúde família, em vez de funcionarem com telefones fixos e centrais telefónicas obsoletas e contratos aparte, toda esta tecnologia de rede informática e de telefones passe a estar no contrato.”

Os SPMS pensam ainda que podem poupar dinheiro com este novo contrato. Atualmente gastam-se dois milhões por ano na rede informática da Saúde e 3,5 milhões em serviços telefónicos. O concurso vai ser lançado por seis milhões por ano mas, com concorrência, espera-se poder fechar o contrato por menos de 5,5 milhões.

A integração num único contrato da parte informática e telefónica pode ainda facilitar o serviço do futuro centro de contacto do SNS, sucessor da linha Saúde 24, que manterá o mesmo número mas com funcionalidades adicionais e que passa a estar sob a alçada dos SPMS.

“[Servirá] Para aproximarmos o serviço do centro de contacto e, no limite, temos esse objetivo, podemos redirecionar a chamada em tempo real ou em diferido para um profissional de saúde”, indicou Henrique Martins.

Contudo, o presidente dos SPMS avisa que a ideia de falar ou não com os utentes através dos telemóveis de serviço é sempre uma decisão que cabe a cada profissional de saúde. “Nem todos quererão essa facilidade”, reconheceu Henrique Martins.

O responsável adianta ainda que dar telemóveis aos profissionais de saúde terá muita utilidade nos serviços ao domicílio, uma tendência que se quer crescente nos serviços de saúde.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt