Concursos Públicos

Paulo Costa mantém-se na direção dos museus de Etnologia e de Arte Popular

O museólogo Paulo Costa vai manter-se na direção do Museu Nacional de Etnologia e do Museu de Arte Popular, na sequência de concurso público, indica um despacho publicado em Diário da República.

Paulo Jorge Moreno Ferreira da Costa é licenciado em Antropologia pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas/Universidade Nova de Lisboa, fez uma pós-graduação em Antropologia pela mesma faculdade, mestrado e doutoramento em Políticas e Imagens da Cultura e Museologia

Inácio Rosa/LUSA

O museólogo Paulo Costa vai manter-se na direção do Museu Nacional de Etnologia e do Museu de Arte Popular, em Lisboa, na sequência de concurso público, indica um despacho publicado esta sexta-feira em Diário da República (DR).

De acordo com o despacho n.º 5177/2017, assinado pelo subdiretor-geral do Património Cultural, Filipe Campos Silva, o diretor dos dois museus, onde se encontrava desde 2015 em regime de substituição, é agora designado para uma comissão de serviço de três anos.

A comissão de serviço é atribuída na sequência de seleção realizada em concurso público para o cargo de direção intermédia de 1.º grau daqueles museus.

Paulo Costa irá exercer, em comissão de serviço, por três anos, renovável por iguais períodos de tempo, o cargo de diretor do Museu Nacional de Etnologia e do Museu de Arte Popular, com efeitos desde 3 de maio de 2017.

A escolha do responsável é sustentada em despacho “em virtude de reunir os requisitos legalmente exigidos e deter o perfil adequado, e demonstrativo da aptidão, competência técnica e experiência profissional necessárias para o desempenho do cargo, conforme evidenciado pela nota curricular”.

Nascido em 1968, Paulo Jorge Moreno Ferreira da Costa é licenciado em Antropologia pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas/Universidade Nova de Lisboa, fez uma pós-graduação em Antropologia pela mesma faculdade, mestrado e doutoramento em Políticas e Imagens da Cultura e Museologia.

Antes de ter estado em regime de substituição, desde março de 2015, na direção dos dois museus, Paulo Costa foi técnico superior na Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) entre 2014 e 2015, com desempenho de funções na área do património imaterial e assegurando a continuidade de projetos e linhas de trabalho que definiu nesta área desde 2007.

Foi chefe da Divisão do Património Imóvel, Móvel e Imaterial da DGPC (2012 a 2014), diretor do Departamento de Património Imaterial do Instituto dos Museus e da Conservação (2007 a 2012), diretor dos Serviços de Inventário do Instituto Português de Museus (2002 a 2007), técnico superior no Instituto Português de Museus (2002), e no Museu Nacional de Etnologia (1993 a 2001).

Foi contratado pela Câmara Municipal do Cadaval para a elaboração do estudo etnográfico do município (1989-1990).

É autor de diversos trabalhos sobre culturas populares de matriz rural, museologia etnológica, inventário e gestão de coleções e património imaterial, nomeadamente “Da preservação ao acesso público: o património fílmico de Margot Dias”, e “Sistemas Matriz: instrumentos para a gestão e o acesso ao património cultural”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Orçamento do Estado

Tributação com sal q.b.

Susana Claro

Quando se atingem níveis de tributação em que os impostos indiretos são responsáveis por metade do preço de venda dos produtos, há que indagar se não estará na altura de decidir que Estado queremos.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site