Logo Observador
Condução Autónoma

Carros (quase) autónomos da Honda só em 2025

A Honda pretende comercializar carros capazes de circular sozinhos, até 2025. Segundo a marca nipónica, o futuro será este, mas até lá há que controlar os custos.

Este é o NeuV, o protótipo que a Honda apresentou no Consumer Electronics Show, e que materializa a sua visão de mobilidade do futuro observador.pt

Autor
  • Francisco António

Denominada “Vision 2030”, a Honda acaba de apresentar a sua nova estratégia para o mercado automóvel, com um especial enfoque na condução autónoma. Nomeadamente, com a disponibilização de carros equipados com o nível 4 desta tecnologia, ou seja, capazes circular sozinhos na maior parte das situações, até 2025.

Seguindo, as pisadas já iniciadas por vários outros construtores, a Honda assume querer dar um novo impulso aos esforços que têm vindo a ser desenvolvidos por vários dos seus departamentos, neste mesmo domínio, embora procurando manter sob controlo os custos de desenvolvimento da tecnologia. No entanto, defende também o fabricante, é preciso olhar para além dos veículos convencionais, de forma a conseguir sobreviver numa indústria que está a caminhar rapidamente para o veículo eléctrico e para a condução autónoma.

Recorde-se que a marca nipónica já havia dado a entender ter planos para comercializar, até 2020, um veículo capaz de circular sem apoio do condutor em auto-estradas.

“Vamos dar prioridade máxima à electrificação e à evolução dos sistemas avançados de segurança”, anunciou ainda, em declarações reproduzidas pela Reuters, o CEO da Honda, Takahiro Hachigo. Isto, ao mesmo tempo que assumia que o desenvolvimento de novas tecnologias de condução, robótica e inteligência artificial aplicada à condução, assim como de novas soluções energéticas, serão igualmente prioridades para a Honda, nos próximos anos.

O objectivo

A Honda criou, ainda no final de 2016, uma nova divisão, direccionada para o desenvolvimento de veículos eléctricos. Estratégia que, no fundo, fazia parte de um plano mais amplo e que engloba igualmente os híbridos a gasolina de baixas emissões, os híbridos plug-in, os veículos exclusivamente eléctricos e as soluções a pilha de hidrogénio. Tudo propostas que hoje em dia não vão além dos 5% das vendas da marca nipónica, mas que, em 2030, o fabricante espera que possam vir a representar cerca de dois terços da sua oferta.

Entretanto, ao mesmo tempo que a Honda anuncia uma nova estratégia centrada na mobilidade eléctrica e autónoma, rivais como a BMW fixaram já como objectivo lançar um carro totalmente autónomo até 2021. Sendo que, a par do fabricante alemão, a norte-americana Ford prometeu um veículo de capacidades semelhantes, mas para utilização num esquema de car-sharing, para a mesma data. Já a nipónica Nissan, tem planos para comercializar um automóvel capaz de se desenvencilhar sozinho em cidade, até 2020.

Comparador de carros novos

Compare até quatro, de entre todos os carros disponíveis no mercado, lado a lado.

Comparador de carros novosExperimentar agora
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt