Economia

Consumo efetivo em Portugal está quase 20% abaixo da média da UE

Portugal tem um consumo efetivo por habitante de 82%, abaixo da média da União Europeia (UE 100%), estando o Luxemburgo no topo da lista (132%) e a Bulgária no fundo (53%).

MÁRIO CRUZ/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Portugal tem um consumo efetivo por habitante de 82%, abaixo da média da União Europeia (UE 100%), estando o Luxemburgo no topo da lista (132%) e a Bulgária no fundo (53%), segundo dados de 2016 divulgados pelo Eurostat.

Portugal integra um grupo de 12 Estados-membros cujo consumo efetivo por habitante está entre a média europeia e 25% abaixo desta, sendo que a Irlanda, Itália e Chipre apresentam valores menores que 10% da média da UE, a Espanha, Lituânia, Portugal e Malta estão entre 10% e 20% abaixo e a República Checa, a Grécia, a Eslováquia, a Polónia e a Eslovénia apresentam níveis entre os 20% e os 25% abaixo da média.

O consumo individual efetivo é um indicador de nível de bem-estar material dos agregados familiares e exprime-se em paridade do poder de compra.

Segundo o gabinete oficial de estatísticas da UE, dez Estados-membros apresentam índices superiores à média europeia: Luxemburgo (32% acima), Alemanha e Áustria (20% acima), Reino Unido, Dinamarca, Finlândia, Bélgica, França, Holanda e Suécia (entre 10% e 15% acima da média da UE).

Os restantes seis Estados-membros registaram níveis de consumo individual efetivo pelo menos 30% abaixo da média: Estónia, Letónia, Hungria e Roménia estão entre os 30% e os 40% abaixo, seguindo-se a Croácia, que ultrapassa a fasquia dos 40%, e a Bulgária, com 53% menos do que a média da UE.

O Eurostat faz ainda uma tabela em função do produto interno bruto (PIB) por habitante — um indicador de atividade económica — e que distribui os Estados-membros entre os 276% do Luxemburgo e os 48% da Bulgária.

Portugal apresenta um PIB por habitante de 77% face à média da UE.

A zona euro tem um consumo médio de 105% e um PIB de 106%.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Orçamento do Estado

Tributação com sal q.b.

Susana Claro

Quando se atingem níveis de tributação em que os impostos indiretos são responsáveis por metade do preço de venda dos produtos, há que indagar se não estará na altura de decidir que Estado queremos.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site