Fraude

Fraude. App do telemóvel permite viajar sem pagar nos transportes do Porto

1.127

Há uma tecnologia que permite carregar ilegalmente o Andante, o cartão usado para viajar no Metro do Porto, STCP, CP e operadores privados. Empresa já apresentou queixas em tribunal.

Rui Oliveira / Global Imagens

Uma aplicação no smartphone permite multiplicar as viagens carregadas no cartão Andante sem pagar por elas. A fraude já foi detetada pelos Transportes Intermodais do Porto, que confirma ao Observador estar a tentar resolver o problema.

A informação foi avançada pelo site de tecnologia Aberto até de madrugada, que refere que “milhares de pessoas” têm andado a viajar sem pagar nos transportes públicos do Porto, “regravando continuamente o seu cartão Andante de modo a que esteja sempre carregado”. A fraude faz-se apenas em smartphones com Near Field Communication (NFC), uma tecnologia semelhante ao Bluetooth que permite a troca de informações sem fio, sendo necessária apenas uma aproximação física.

Para multiplicar as viagens, é necessário ter um cartão Andante carregado, que será então copiado. A app permite depois repor essa cópia indefinidamente, com viagens que nunca foram pagas pelo utilizador. Os passes mensais escapam a este método.

Contactado pelo Observador, o gabinete de comunicação dos Transportes Intermodais do Porto (TIP), o consórcio que reúne a Metro do Porto, STCP e CP, as empresas públicas em que o Andante é válido, confirma que detetou a fraude “há cerca de três meses”. E fala ainda de “outra técnica mais sofisticada”, sem especificar qual. Mas recusa que haja milhares de pessoas a fazer uso desta tecnologia. “Tem uma expressão pontual, temos a noção de que é residual“, sublinha, sem também adiantar números concretos.

Os novos cartões Andante não impedem a fraude, mas os TIP já começaram a implementar algumas medidas para impedir os carregamentos fraudulentos. Outras serão postas em prática em breve. “Não posso adiantar nada por motivos de segurança, mas vamos reduzir à mínima expressão possível a possibilidade de hackear cartões”, afirma fonte do gabinete. Os cartões detetados já foram bloqueados informaticamente, uma vez que cada cartão tem um número único.

Para resolver o problema, não será necessário produzir novos cartões Andante. As máquinas dos fiscais que andam no Metro e na STCP permitem detetar se o cartão validado foi carregado ilegalmente e já foram apanhadas algumas pessoas, que serão levadas a tribunal por fraude. “Temos também uma queixa-crime contra incertos“, revela.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Adolescentes

A adição à pornografia nos adolescentes

Pedro Afonso

A educação sexual tem sido baseada numa visão libertária, à moda dos anos 60, e em procurar diminuir os riscos associados às relações sexuais. Mas a sexualidade humana vai muito mais além disto.

Catolicismo

Sair do armário como católico

António Pimenta de Brito

Tal como não julgo um homossexual ou um muçulmano sem o conhecer, também se devia fazer o mesmo com os católicos praticantes. Não julgar antes de os conhecer. Mas será que isso acontece?

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site