Logo Observador
Estados Unidos da América

Banco central dos EUA mais otimista quanto a crescimento e emprego em 2017

O banco central norte-americano reviu em alta a sua previsão de crescimento económico nos Estados Unidos para este ano e mostrou-se mais otimista também quanto ao emprego.

Em 2018, a taxa de desemprego esperada é de 4,2% (4,5% na previsão de março)

SHAWN THEW/EPA

O banco central norte-americano reviu esta quarta-feira em alta a sua previsão de crescimento económico nos Estados Unidos para este ano e mostrou-se mais otimista também quanto ao emprego.

O Produto Interno Bruto (PIB) norte-americano deve avançar 2,2% durante este ano, ou seja uma subida de uma décima em relação às previsões divulgadas em março, de acordo com as novas projeções do comité de política monetária da Reserva Federal (Fed).

O banco deixou inalterada a previsão para o próximo ano (2,1%) e prevê uma desaceleração para 1,8% a longo prazo, longe dos 3% de crescimento anual prometidos pela administração Trump.

No primeiro trimestre, a economia norte-americana avançou 1,2%, um abrandamento em relação ao quarto trimestre de 2016. Quanto ao emprego, o banco central dá sinais de otimismo e aponta para uma taxa de desemprego de 4,3% em 2017, menos duas décimas do que indicavam as previsões de março.

Em 2018, a taxa de desemprego esperada é de 4,2% (4,5% na previsão de março). Em maio a taxa de desemprego nos Estados Unidos caiu para 4,3%, o nível mais baixo em 16 anos. A Fed reviu em baixa as previsões para a inflação e aponta agora para 1,6% este ano, contra 1,9% em março.

O objetivo do banco central norte-americano é uma subida dos preços de cerca de 2% ao ano, uma meta que não será atingida antes de 2018, de acordo com as novas previsões.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Comunismo

PCP continua a falsificar a História

José Milhazes

O PCP criou um site para celebrar os 100 anos da revolução bolchevique de 1917, mas abre-o logo com uma fotografia falsificada de Lenine. Trata-se apenas da primeira de muitas falsificações históricas

Amor

A lição que Portugal deveria aprender com o Brasil

Ruth Manus

Foi aí que percebi que “eu te amo” seria uma belíssima solução para o amor português. Na verdade, nós no Brasil nem falamos o “eu”. Basta o “te amo”. O que importa é que é uma expressão fácil.