Logo Observador
Caixa Geral de Depósitos

Caixa Geral de Depósitos avança com programa de rescisões voluntárias para acelerar saída de trabalhadores

101

A CGD vai avançar com um programa de rescisões por mútuo acordo, que se soma ao programa de pré-reformas já em vigor, para acelerar a saída de trabalhadores, segundo informação dada aos sindicatos.

No final de 2016, o banco tinha 8.133 trabalhadores em Portugal, menos 297 do que em 2015

TIAGO HENRIQUE MARQUES/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A CGD vai avançar com um programa de rescisões por mútuo acordo, que se soma ao programa de pré-reformas já em vigor, para acelerar a saída de trabalhadores, segundo informação dada aos sindicatos.

Esta tarde de quarta-feira, a administradora da CGD com o pelouro do pessoal, Maria João Carioca, reuniu-se com os sindicatos e comissão de trabalhadores representantes dos funcionários do grupo bancário para anunciar que o banco avançará com um programa de rescisões.

Segundo disse à Lusa o presidente do Sindicato dos Trabalhadores do Grupo Caixa, João Lopes, a administração da CGD não está a ter as adesões que necessitaria no programa de pré-reformas em vigor, pelo que lança este programa de rescisões para conseguir atingir o objetivo de este ano reduzir em mais de 500 pessoas o quadro de pessoal.

Aos trabalhadores que queiram aderir que descontam para a Caixa Geral de Aposentações é oferecida uma indemnização de 2,1 meses por cada ano de trabalho, no máximo de cinco anos, e aos trabalhadores que descontam para a segurança social (trabalhadores mais recentes ou de empresas do grupo Caixa) 1,6 meses por cada ano de serviço, também no máximo de cinco salários. Os trabalhadores poderão ainda manter algumas vantagens de crédito à habitação e serviços de saúde.

No âmbito da recapitalização da CGD, o banco público acordou com Bruxelas um programa de reestruturação que passa, entre outras medidas, pela saída de cerca de 2.000 pessoas até 2020, através de pré-reformas e rescisões amigáveis, num ritmo de 500 a 600 por ano.

A CGD já tinha vindo a emagrecer a sua estrutura nos últimos anos, inclusivamente com a saída de trabalhadores. No final de 2016, o banco detido a 100% pelo Estado tinha 8.133 trabalhadores em Portugal, menos 297 do que em 2015.

A CGD teve prejuízos de 38,6 milhões de euros no primeiro trimestre, que justificou com os custos extraordinários decorrentes do programa de pré-reformas e rescisões amigáveis que a está a implementar (com um impacto de 58 milhões de euros).

O plano de reestruturação da CGD implica ainda o encerramento de mais de 60 agências por todo o país, tendo esta quarta-feira o banco apresentado aquilo que designa por “banco móvel”, uma carrinha do banco que prestará serviços bancários em zonas em que a CGD não tem agências.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Sistema Financeiro

Vem aí o fim da Banca

Miguel Gouveia
119

A mudança do modelo de negócios da banca não será sustentável a médio e longo prazo devido ao aparecimento de novas empresas cuja concorrência será devastadora para os bancos.