Logo Observador
Eurogrupo

Eurogrupo busca acordo sobre a Grécia mas sem decisões relativas ao alívio da dívida

Uma segunda revisão do programa de assistência à Grécia esteve esta quarta-feira na mesa de reunião dos ministros das Finanças da zona euro. Não houve decisões sobre alívio da dívida.

Portugal estará representado na reunião do Eurogrupo pelo ministro Mário Centeno

SIMELA PANTZARTZI/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Os ministros das Finanças da zona euro reúnem-se esta quarta-feira no Luxemburgo em busca de um acordo sobre a conclusão da segunda revisão do programa de assistência à Grécia, mas sem decisões sobre alívio da dívida, como pretendia Atenas.

Após meses de negociações e sucessivos desacordos, Atenas poderá finalmente receber “luz verde” dos seus credores — zona euro e Fundo Monetário Internacional (FMI) — ao desembolso de uma nova tranche do empréstimo, mas sem novos desenvolvimentos na questão do alívio da dívida, também há muito reclamado pelo governo de Alexis Tsipras.

Com absoluta necessidade de receber “dinheiro fresco” nos seus cofres, para pagar as dívidas mais urgentes — incluindo ao Banco Central Europeu (BCE) — e evitar nova crise, a Grécia encontra-se assim pressionada a aceitar um acordo na reunião desta quarta-feira do Eurogrupo, ainda que sem um plano concreto de renegociação da dívida, exigido pelo FMI mas até ver rejeitado pela Alemanha.

Portugal estará representado na reunião do Eurogrupo pelo ministro Mário Centeno, que no dia seguinte, na reunião alargada aos 28 ministros das Finanças da União Europeia, o Conselho Ecofin, deverá ver enfim formalizada a saída de Portugal do Procedimento por Défice Excessivo (PDE), na sequência da recomendação da Comissão Europeia feita no mês passado.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Comunismo

PCP continua a falsificar a História

José Milhazes

O PCP criou um site para celebrar os 100 anos da revolução bolchevique de 1917, mas abre-o logo com uma fotografia falsificada de Lenine. Trata-se apenas da primeira de muitas falsificações históricas

Amor

A lição que Portugal deveria aprender com o Brasil

Ruth Manus

Foi aí que percebi que “eu te amo” seria uma belíssima solução para o amor português. Na verdade, nós no Brasil nem falamos o “eu”. Basta o “te amo”. O que importa é que é uma expressão fácil.