Crise Política no Brasil

Ex-deputado nega ter vendido seu silêncio em inquérito contra Presidente brasileiro

O ex-deputado Eduardo Cunha negou em depoimento à Justiça do Brasil que o Presidente Michel Temer tenha autorizado o pagamento de suborno em troca do seu silêncio.

Joedson Alves/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O ex-deputado Eduardo Cunha negou esta quarta-feira em depoimento à Justiça do Brasil que o Presidente Michel Temer tenha autorizado o pagamento de suborno em troca do seu silêncio nos processos de corrupção que estão a ser investigados no país.

A informação foi dada pelo advogado do ex-deputado, Rodrigo Rios, que disse à imprensa que o seu cliente frisou no interrogatório que “o silêncio dele nunca esteve à venda” e que nunca foi procurado pelo Presidente ou por nenhum de seus interlocutores com propostas neste sentido.

Eduardo Cunha está preso desde o ano passado, acusado de participar nos esquemas de corrupção na petrolífera estatal Petrobras e noutras instituições públicas, alvo de investigação na Operação Lava Jato. O depoimento desta quarta-feira de Eduardo Cunha, porém, diz respeito a um inquérito contra o Presidente Michel Temer aberto no Supremo Tribunal Federal (STF) em maio, após os donos da empresa JBS, Joesley Batista e Wesley Batista, terem entregado à Justiça uma gravação que supostamente compromete o Presidente.

No áudio, Joesley Batista diz para Michel Temer que estava a subornar Eduardo Cunha para ele ficar calado na prisão. O Presidente reage à informação dizendo: “tem que manter isto, viu”. A conversa foi considerada pela Procuradoria-Geral da República do Brasil como prova de um aval dado por Michel Temer para que o empresário continuasse a subornar Eduardo Cunha, impedindo assim o progresso das investigações da Lava Jato.

Segundo a imprensa local, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, já está a preparar uma acusação contra Michel Temer, que deve ser apresentada nos próximos dias ou semanas. Se for levada adiante, a acusação pode iniciar um processo de destituição contra o chefe de Estado brasileiro, mas o andamento e um processo neste sentido depende também de aprovação no plenário da Câmara dos Deputados (câmara baixa do parlamento do Brasil).

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site