Logo Observador
Aviação

China pune companhia aérea Emirates por falhas de segurança

A China proibiu a Emirates de abrir novas rotas para o país nos próximos seis meses, depois de dois voos terem registado falhas de segurança. Não é a primeira vez que a companhia é punida no país.

A companhia aérea foi ainda multada em 3.380 euros

ALI HAIDER/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

A Administração de Aviação Civil da China proibiu a companhia aérea Emirates de abrir novas rotas para o país nos próximos seis meses, depois de dois dos seus voos terem registado falhas de segurança. Os incidentes ocorreram nos dias 17 de abril e 18 de maio, no espaço aéreo da cidade de Urumqi, a capital da região do Xinjiang, no noroeste da China.

No primeiro caso, o avião da Emirates voou a uma “altura errada”, enquanto no segundo perdeu temporariamente contacto com os controladores de tráfego aéreo.

As autoridades chinesas anunciaram na quarta-feira que multaram a companhia com sede no Dubai em 29.000 renminbi (3.380 euros).

Não é a primeira vez que a Emirates é punida na China.

Em maio de 2016, a companhia foi proibida de abrir novas rotas ou aumentar a frequência dos voos no país, por um período de seis meses, depois de um avião ter aterrado com pouco combustível.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Família Real Britânica

Lady Di: nem princesa, nem do povo

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
126

As ascendências da mãe de Isabel II e de Diana são, em termos nobiliárquicos, equivalentes, com vantagem para a Lady Di, que era menos ‘plebeia’ do que a mãe da actual rainha.