Cristiano Ronaldo

Cristiano Ronaldo reage às acusações: “Por vezes, a melhor resposta é estar calado”

120

O futebolista internacional português Cristiano Ronaldo reagiu às acusações de que tem sido alvo, num 'post' colocado na sua conta da rede social Instagram.

O Ministério Público de Madrid acusou o futebolista de ter criado uma sociedade para defraudar o fisco espanhol em 14,7 milhões de euros

ANDRE KOSTERS/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O futebolista internacional português Cristiano Ronaldo reagiu, esta quinta-feira, às acusações de que tem sido alvo nos últimos dias, dizendo que a melhor resposta é o silêncio, numa publicação divulgada na sua conta oficial do Instagram.

“Por vezes, a melhor resposta é estar calado”, escreveu o jogador do Real Madrid, numa frase a acompanhar uma fotografia em que surge com uma camisola da seleção portuguesa de futebol e o dedo em frente à boca pedir silêncio.

Sometimes the best answer it's to be quiet ????????

A post shared by Cristiano Ronaldo (@cristiano) on

Cristiano Ronaldo encontra-se em Kazan, na Rússia, onde a seleção portuguesa de futebol prepara a participação na Taça das Confederações, e, quarta-feira, à partida de Lisboa, havia afirmado estar de “consciência tranquila”.

Na terça-feira, o Ministério Público de Madrid acusou o futebolista português de ter, de forma “consciente”, criado uma sociedade para defraudar o fisco espanhol em 14,7 milhões de euros, segundo a agência de notícias espanhola Efe.

O futebolista português é acusado de quatro delitos contra os cofres do Estado, cometidos entre 2011 e 2014, que contabilizam uma fraude tributária de 14.768.897 euros.

Numa declaração enviada ao tribunal de instrução de Alarcón, em Madrid, o Ministério Público cita a recente sentença do Supremo Tribunal contra o futebolista Lionel Messi, do Barcelona, que o condenou a 21 meses de prisão por ter defraudado o fisco em 4,1 milhões de euros, e escreve que Ronaldo aproveitou-se de uma sociedade criada em 2010 para ocultar ao fisco as receitas geradas em Espanha pelos seus direitos de imagem.

Isto, para o fisco espanhol, supõe um incumprimento “voluntário” e “consciente” das obrigações fiscais de Cristiano Ronaldo em Espanha.

De acordo com a nota do Ministério Público enviada ao tribunal de instrução, em causa estão valores de 1,39 milhões em 2011, mais 1,66 milhões em 2012, a que se juntam 3,2 milhões em 2013 e 8,5 milhões em 2014.

Na base da acusação estão os direitos de imagem do jogador português ao serviço do Real Madrid desde 2009 e que, desde 01 de janeiro de 2010, é considerado residente fiscal em Espanha.

Cristiano Ronaldo pode incorrer numa multa superior a 28 milhões de euros e em prisão efetiva de um mínimo de sete anos.

Segundo a agência noticiosa EFE, os técnicos do ministério das finanças (Gestha) advertiram em comunicado que o internacional português “poderia ser preso devido a quatro delitos ficais” e realçaram que “as finanças apresentaram a denúncia antes de 30 de junho” para evitar que prescreva o delito fiscal quanto ao imposto fiscal sobre não residentes (IRNR) de 2011.

Na quarta-feira, o Real Madrid mostrou “plena confiança” em Cristiano Ronaldo, afirmando em comunicado que o futebolista português atuou dentro da legalidade no que respeita às suas obrigações fiscais.

“O Real Madrid mostra a sua plena confiança em Cristiano Ronaldo, que, entendemos, atuou conforme a legalidade no que respeita ao cumprimento das suas obrigações fiscais”, escreveu o clube ‘merengue’, em comunicado.

De acordo com o clube bicampeão da Europa de futebol, Cristiano Ronaldo “mostrou sempre, desde a sua chegada ao Real Madrid, em julho de 2009, uma vontade clara de cumprir todas as suas obrigações tributárias”.

“O Real Madrid está absolutamente convencido de que Cristiano Ronaldo demonstrará a sua total inocência neste processo e espera que a justiça atue com a maior celeridade possível para que seja demonstrada a sua inocência o mais rapidamente possível”, diz ainda o comunicado.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
IPSS

Raríssimas, uma história de subdesenvolvimento

Helena Garrido

Num país desenvolvido as instituições teriam funcionado e a Casa dos Marcos teria sido fiscalizada. Nenhum país enriquece sendo como vimos que Portugal é no caso Raríssimas. Enriquecem algumas pessoas

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site