Logo Observador
França

Quem é o português que venceu o “The Voice” francês

630

Lisandro Cuxi, de 17 anos, saiu de Portugal com 9 anos quando os pais, ambos cabo-verdianos, emigraram para França. Vive em Cannes e já tinha ficado em terceiro lugar do The Voice Kids.

Chama-se Lisandro Cuxi, tem 17 anos, e venceu a última edição do programa de talentos “The Voice” em França. Filho de cabo-verdianos, Lisandro nasceu em Portugal, mas foi para França com apenas 9 anos, quando os pais emigraram. Na altura, não falava uma única palavra de francês.

Uma das músicas favoritas de Lisandro é o “Can’t Stop the Feeling”, de Justin Timberlake, a música que cantou na “prova cega” — a mais característica do formato “The Voice”, em que o júri não está a ver o candidato e centra-se apenas na voz.

O português vive em Cannes e ao jornal Nice Matin explicou qual foi o seu primeiro pensamento: “Quando disseram o meu nome, lembrei-me da final perdida no The Voice Kids. Pensei: isto não é possível! Depois pensei em muitas coisas ao mesmo tempo, na minha mãe, no meu professor de técnica vocal (…) Este é o momento mais bonito da minha vida”.

Sobre a forma como vai lidar com o estrelado, Lisandro explica que está “bem acompanhado. Isso é o principal. Porque se um dia me estiver a desviar, alguém vai dizer: ‘tem calma’.” E acrescentou: “Eu não me esqueço de onde venho”.

Como momento inesquecível da noite da final, Lisandro elegeu o dueto que fez com o seu mentor no programa, M. Pokora. O português disse ainda que treinou “muito ao longo do último mês” para conseguir obter esta vitória. Lisandro venceu a final no sábado à noite com 32.4% da votação do público, depois de, em 2015, ter ficado em terceiro lugar do The Voice Kids.

Em 2013, Lisandro Cuxi gravou a música “Se fosse eu” com o cantor angolano Anselmo Ralph.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
União Europeia

Uma nova Europa?

Diana Soller

A Europa, nos últimos anos, transformou-se. Os eleitores favorecem cada vez mais um tipo de candidatos que não pertencem bem ao sistema político tradicional, mas que também não estão fora dele.