Hospitais

Câmara admite financiar com 29,6 milhões de euros um novo Hospital de Proximidade de Sintra

A construção do futuro Hospital de Proximidade de Sintra vai ser financiada na totalidade pelo município, em mais de 29 milhões de euros, caso seja aprovado um protocolo com o Governo.

Ao Estado caberia suportar 21 milhões de euros em aquisição e instalação de equipamentos para o novo hospital

PEDRO NUNES/LUSA

A construção do futuro Hospital de Proximidade de Sintra vai ser financiada na totalidade pelo município, em mais de 29 milhões de euros, caso seja aprovado um protocolo com o Governo, a cuja minuta a Lusa teve acesso.

O documento, a discutir pelo executivo municipal, na segunda-feira, prevê que o município invista 29,617 milhões de euros na “conceção e construção do Hospital de Proximidade de Sintra” e o Estado assuma 21,660 milhões com “aquisição e instalação do equipamento necessário ao seu funcionamento”.

“Este acordo é a única forma de tornar realidade a criação de um novo hospital em Sintra, uma necessidade com mais de 20 anos”, disse à agência Lusa o presidente da autarquia, Basílio Horta. Segundo o autarca, “a saúde financeira da autarquia de Sintra permite assumir este compromisso”, reforçando o papel da câmara “na melhoria das condições de vida de mais de 400 mil pessoas” do concelho.

A minuta do protocolo, a subscrever com os ministros das Finanças e da Saúde, admite “a conclusão da construção do Hospital de Proximidade de Sintra durante o mês de janeiro de 2021”.

De acordo com a programação dos trabalhos, o município será responsável pelo projeto, fiscalização e obra, com início no “segundo semestre de 2017”, e os ministérios das Finanças e da Saúde asseguram o equipamento geral, médico e informático, a partir do “primeiro trimestre de 2020”, num investimento global estimado de 51,2 milhões de euros.

A câmara e a assembleia municipal aprovaram, em fevereiro deste ano, a cedência gratuita à Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo, de uma área 59.500 metros quadrados para a instalação do novo hospital na zona da Cavaleira, na freguesia de Algueirão-Mem Martins, junto ao Itinerário Principal (IC) 16.

A autarquia comprometeu-se na altura a comparticipar com seis milhões de euros a construção da nova unidade, na sequência da constituição pelo Ministério da Saúde de um grupo de trabalho com o município para definir o programa de um novo polo hospitalar, em articulação com o Hospital Fernando Fonseca (Amadora-Sintra).

Tem sido sistematicamente identificada uma evidente carência no acesso aos cuidados de saúde por parte das populações de Sintra, na decorrência, em primeira linha, da óbvia desadequação e subdimensionamento do Hospital Fernando Fonseca”, salientou Basílio Horta.

Perante a impossibilidade do Governo de avançar já com o investimento para “colmatar as sérias lacunas existentes no acesso aos cuidados de saúde, no domínio da urgência hospitalar, dos cuidados ambulatórios e da convalescença”, o autarca defendeu que essas dificuldades “jamais poderão prejudicar a construção e instalação do Hospital de Proximidade de Sintra, sob pena de graves consequências para a saúde das populações do município”.

Nesse sentido, a minuta de protocolo esclarece que a nova unidade funcionará “em estreita articulação” com o Hospital Fernando Fonseca, com serviços de urgência básica, consultas externas diferenciadas, unidade de cirurgia ambulatória e meios complementares de diagnóstico e terapêutica.

No documento estão ainda previstas “duas unidades de convalescença com um total de 60 camas”, que o serviço de consulta externa funcione todos os dias úteis e que a urgência funcionará 24 horas por dia, em estreita articulação com o Fernando Fonseca e o agrupamento de centros de saúde de Sintra.

A minuta do protocolo, após análise e decisão do executivo camarário, terá ainda de ser objeto de deliberação da assembleia municipal, e uma fonte oficial da autarquia admitiu à Lusa que, depois do acordo ser aprovado, deverá ser “assinado na próxima semana”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
António Costa

Pelos caminhos de Portugal

Paulo Tunhas

António Costa acha que “este ano foi particularmente saboroso para Portugal”. Houve, é verdade, os mortos dos fogos, houve Tancos, houve o caso da Raríssimas. Mas que importa isso?

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site