Logo Observador
Europeu Sub-21

Campeonato da Europa Sub-21. Os latinos vão mandar na Europa dos pequenitos?

Espanha, Itália e Portugal partem no topo dos favoritos para suceder à Suécia no Campeonato da Europa Sub-21. E entre os 20 jogadores mais valiosos na prova, apenas três não pertencem à ala latina.

Suécia de Victor Lindelöf causou uma grande surpresa em 2015, sagrando-se campeã frente a Portugal nos penáltis

Getty Images

Há Alemanha, que é sempre candidata a ganhar o que quer que seja onde entre. Há Inglaterra, deu o salto na formação e venceu recentemente o Mundial Sub-21. Há Suécia, atual campeã em título. Há Rep. Checa e Sérvia, que têm tradição na arte de surpreender nos escalões mais baixos. Mas o Campeonato da Europa Sub-21, que se realiza entre esta sexta-feira e 30 de junho, tem tudo para ser sobretudo uma cimeira latina entre Portugal, Espanha e Itália. Pelo menos, nos nomes que levam até à Polónia.

De acordo com o site especializado Transfermarkt, apenas Mex Meyer (Alemanha, Schalke 04), Mahmoud Dahoud (Alemanha, B. Mönchengladbach) e Patrick Schick (Rep. Checa, Sampdória) se intrometem no domínio das três seleções no top-20 dos jogadores com maior valor de mercado que estarão na edição de 2007. Força mais representativa? A Espanha, com oito jogadores.

Saúl Ñíguez, aqui a ganhar de cabeça a Cristiano Ronaldo, tem o passe avaliado em 40 milhões de euros

Saúl Ñíguez, médio ofensivo do Atl. Madrid, é o elemento com maior cotação na análise: 40 milhões de euros. Um pouco abaixo, nos quintos e sextos lugares, estão o lateral direito Bellerín (é do Arsenal mas está a ser cobiçado por muitos clubes, entre os quais o Barcelona) e o avançado do Athl. Bilbao Iñaki Williams, ambos avaliados em 25 milhões. No top-20 encontram-se ainda Asensio (ala do Real Madrid que apontou o último golo da final da Champions, 20 milhões), Denis Suárez (Barcelona, 18), José Luís Gayá (Valencia, 18), Yeray Álvarez (Athl. Bilbao, 15) — Yeray acabou por sair da convocatória porque foi-lhe detetada uma doença oncológia e terá de fazer tratamentos — e Marcos Llorente (Alavés, 15, também cobiçado pelos clubes grandes em Espanha).

Donnarumma é apontado como o sucessor de Buffon na seleção italiana e um valor seguro para os próximos anos

Segue-se a Itália, com seis jogadores entre os 20 mais valiosos do Europeu. E logo com o segundo da lista: o ala Federico Bernardeschi, da Fiorentina (por pouco tempo, pelo que se percebe das últimas notícias que dão conta do alegado interesse de alguns clubes italianos), tem o passe colocado nos 30 milhões, mais cinco do que o goleador do Sassuolo, Domenico Berardi. Gianluigi Donnarumma, o guarda-redes prodígio que aos 16 anos já defendia a baliza do AC Milan, tem também o valor de mercado de 25 milhões, seguindo-se Daniele Rugani (Udinese, 17), Mattia Caldara (Atalanta, 15) e Roberto Gagliardini (Inter, 15).

Renato Sanches, aqui com Javi Martínez, ganhou a Bundesliga pelo Bayern mas acabou por não jogar tanto como pretendia

Por fim, Portugal. E com Renato Sanches ao nível de Bernardeschi, com um valor de mercado de 30 milhões apesar de ter passado uma primeira época de adaptação à nova realidade do Bayern Munique. Além do médio, mais dois jogadores formados no Benfica mas a jogar no estrangeiro entram no top-20: João Cancelo, lateral direito do Valencia avaliado em 20 milhões, e Gonçalo Guedes, avançado que foi para o PSG em janeiro e vale 17 milhões.

A título de curiosidade, aqui fica a lista dos mais valiosos por seleção:
Espanha: Saúl Ñíguez (Atl. Madrid, 40 milhões)
Itália: Federico Bernardeschi (Fiorentina, 30)
Portugal: Renato Sanches (Bayern, 30)
Alemanha: Max Meyer (Schalke 04, 16)
Rep. Checa: Patrick Schick (Sampdória, 15)
Inglaterra: James Ward-Prowse (Southampton, 13)
Polónia: Karol Linetty (Sampdória, 7,5)
Sérvia: Zivkovic (Benfica, 6,5)
Suécia: Simon Tibbling (Groningen, 2,5)
Dinamarca: Lasse Vigen Christensen (Fulham, 2)
Eslováquia: Albert Rusnak (Real Salt Lake, 1,75)
Macedónia: Nikola Gjorgjev (Grasshoper, 1)

Portugal à procura de (mais um) feito inédito

A Seleção Nacional comandada por Rui Jorge tem um feito curioso: desde a derrota na Rússia, em outubro de 2011, a contar para a fase de qualificação para o Europeu Sub-21 de 2013, Portugal sofreu apenas um desaire até hoje, nos quartos-de-final dos Jogos Olímpicos de 2016, frente à Alemanha (4-0). Ainda assim, ainda não conseguiu vencer esta prova – em 2015, acabou por cair na final frente à Suécia mas apenas no desempate por grandes penalidades.

Desta vez, Portugal entra no grupo B, defrontando Sérvia (este sábado), Espanha (20 de junho) e Macedónia (23 de junho). Os outros grupos juntarão Polónia, Eslováquia, Suécia, Inglaterra (grupo A), Alemanha, Rep. Checa, Dinamarca e Itália (grupo C). E se a qualidade já é tanta, o apuramento para as meias-finais será ainda mais disputado: passam apenas os primeiros classificados de cada grupo e o melhor segundo classificado.

Portugal de William, Bernardo Silva ou João Mário impressionou em 2015 mas perdeu a final com a Suécia nos penáltis

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt