Câmara Municipal Lisboa

Comissão de Trabalhadores desconhece concurso de sobrinha de César

3.279

A Comissão de Trabalhadores garante que ninguém na Gebalis teve conhecimento do concurso da sobrinha de César. Administração diz que foram analisados 25 currículos e entrevistadas duas pessoas.

A Comissão de Trabalhadores (CT) da Gebalis — empresa municipal que gere os bairros sociais em Lisboa — desconhece que tenha sido aberto qualquer concurso para o lugar ocupado por Inês César, sobrinha do presidente do PS. A coordenadora da CT, Paula Correia, garante ao Observador que “a comissão não teve conhecimento de qualquer concurso interno ou externo, nem sequer sobre a vacatura de lugar. Inês César foi-nos apresentada como facto consumado já a trabalhar na empresa e com telemóvel.”

Já a administração da Gebalis — liderada pelo socialista Pedro Pinto Jesus — reafirma que houve concurso, que começou por analisar 25 currículos e que um deles era de Inês César, que tinha enviado uma “candidatura espontânea” para a Gebalis. A sobrinha da presidente do PS foi uma das duas pessoas que foram à entrevista às instalações da empresa e acabou por ser escolhida.

O alegado “concurso”, segundo o que o Observador apurou, não foi público: não foi publicitado em qualquer jornal, nem no boletim municipal da câmara, nem no site da Gebalis, nem sequer na intranet da empresa, a que têm acesso os funcionários, como sucede nos concursos internos.

A administração da Gebalis definiu o processo como um “concurso” num primeiro comunicado em resposta à notícia do Observador, mas nunca disse que foi público, e apenas referiu que foi da responsabilidade de um “júri idóneo”. Em respostas ao Observador, a empresa municipal garante que — quando soube que o lugar agora ocupado por Inês César ia ficar vago — iniciou um processo de recrutamento em novembro de 2016. O presidente da Gebalis nomeou então duas pessoas que formaram um júri para gerir o processo, uma dirigente e uma técnica: Marta Santos e Sandra Sousa.

Sobrinha de Carlos César contratada pela câmara de Lisboa

A administração da Gebalis explicou ao Observador que, dos “25 potenciais candidatos recrutáveis aceitaram ser entrevistados, com as condições de recrutamento propostas, dois candidatos.” Ou seja: segundo a Gebalis, das 25 pessoas que tinham enviado currículos para a empresa, só duas estavam interessadas neste emprego (o vencimento é de 1.521 euros brutos mensais). Sobre a forma como chegaram a esses “25 potenciais candidatos”, a administração da Gebalis explica que “foi efetuada a análise curricular de 25 currículos que constavam, em bolsa, no Serviço de Recursos Humanos da empresa.” Quanto a Inês César, explica a administração, “a referida trabalhadora enviou uma candidatura espontânea para a Gebalis“. Recorde-se que Inês César começou a trabalhar na Gebalis a 16 de janeiro, cinco dias depois de terminar um contrato na junta de freguesia de Alcântara, cujo executivo é do PS, como noticiou o Observador na última segunda-feira.

O Observador solicitou o acesso aos nomes (e apenas aos nomes) dos candidatos excluídos — uma vez que são documentos de uma entidade da esfera municipal e pública — para comprovar os termos em que o concurso ocorreu. Mas a Gebalis recusou-se a ceder essas informações. Citando a Constituição, o Código do Procedimento Administrativo e o Regulamento Geral de Proteção de Dados Pessoais, a empresa explica que “não fornece dados pessoais (entre os quais se inclui elementos de identificação), sem expresso consentimento dos visados.”

O Observador pediu então para falar com as duas pessoas do júri. A administração disse que estas estariam disponíveis para explicar tudo o que se passou no concurso. Mais tarde, essa disponibilidade passou a ser apenas por escrito tendo como canal de transmissão a administração. O Observador contactou então diretamente um dos elementos do júri, Marta Santos, que só daria respostas em “comunicado escrito do conselho de administração”. A disponibilidade existia apenas em caso da resposta ser concertada com a chefia da empresa.

O júri escolheu então Inês César e o conselho de administração garante que, tendo em conta as duas pessoas entrevistadas, a sobrinha do presidente do PS era a melhor:

Da análise realizada, e após apreciação curricular e em sede de entrevista, foi verificado que enquanto candidata, em termos de evidência de autonomia profissional, evidência de pro-atividade e responsabilidade sobre projetos que já desenvolveu e outros que tem à sua responsabilidade, pragmatismo, clareza e articulação de discurso, solidez de narrativa de atitude em situação de resolução de conflitos foi quem reuniu as melhores condições para o lugar.

A administração da Gebalis explica ainda que não avançou para o recrutamento interno porque “entre os trabalhadores da Gebalis não foi identificado nenhum elemento com as competências e perfil necessário para a função“.

Por outro lado, a Comissão de Trabalhadores insiste que não houve qualquer concurso “nem interno, nem externo”. Paula Correia lembra que, muitas vezes, é aberto um concurso interno e dado conhecimento aos trabalhadores “na intranet da empresa” de que foi aberto um lugar. No entanto, não foi o que aconteceu neste caso. O Conselho de Administração da Gebalis insiste que o o “seguiu os procedimentos em curso na empresa, desde 2008, para o preenchimento de qualquer vaga.” Diz ainda que é “falsa” a acusação que a CT desconhecia o concurso, uma vez que existe “suporte e acervo documental que reflete a sua concretização”.

Nas respostas enviadas ao Observador no dia 12 de junho — ainda antes do esclarecimento que o presidente da Gebalis partilhou na sua página pessoal no Facebook, por volta da 01h00 da manhã de 13 de junho — a administração diz que “desde 2008 que a Gebalis, EM, SA tem implementado um procedimento criterioso de recrutamento de pessoal, por concurso”. No entanto, garante Paula Correia, a “Comissão de Trabalhadores desconhece esse regulamento” e duvida “que alguém conheça. Se existe está escondido. Não nos facultam essa informação”.

Questionada sobre o facto de existirem diversos socialistas em cargos na empresa, o conselho de administração destaca que basta uma pesquisa para encontrar “vários trabalhadores, com diferentes filiações partidárias no quadro de pessoal da Gebalis. Facto que é publico pois muitos destes trabalhadores estiveram em comissões de serviço em anteriores governos, vereações, entre outros inúmeros cargos de nomeação política por outros partidos não citados.” A entidade liderada por Pedro Pinto Jesus diz ainda que é com “surpresa que estas questões se coloquem no atual momento, rejeitando o conselho de administração que haja uma partidarização na Gebalis. Voltamos a frisar que, desde 2008, este é um capítulo encerrado na empresa.”

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site