Nostalgia

O que nos ensinava o guia feminino dos anos 90

Ir à caixa multibanco era perigoso, depilar as pernas com lâmina fazia mal e os soutiens com chumaços nas alças eram um fenómeno. Veja algumas das dicas de beleza, moda e bem-estar dos anos 90.

Autor
  • Helena Magalhães

Se hoje o digital é rei e rainha, nos anos 90 as revistas ainda eram o pico semanal ou mensal de muitas mulheres. Tal como escrevemos no Observador, em Portugal a imprensa feminina teve o seu pontapé de saída em 1988, com a chegada da americana Elle e da Marie Claire (entretanto fechada), e ainda com a fundação da portuguesa Máxima, inspirada na Madame Figaro. Em 1991, outra portuguesa dava as suas primeiras cartadas, a Activa, para uma mulher mais tradicional. Mas seria em 1992, com a chegada da americana Cosmopolitan, que a imprensa feminina iria sofrer uma revolução com os seus artigos de sexo sem tabus que foram, na altura, um escândalo mas acabaram por contaminar a restante imprensa.

Antes desta revolução, as mulheres dos anos 90 lembrar-se-ão de certeza dos guias especiais – os famosos Livros das Ideias -, propriedade da TV Guia Editora (na altura proprietária da, ainda existente, TV Guia e de outros guias e revistas). Custavam 400 escudos e eram, basicamente, um guia para a mulher com ideias e dicas para todas as áreas da vida: decoração, filhos, casal, família, cozinha, saúde, moda e, claro, beleza. Fomos explorar o que ensinavam às portuguesas.

Segurança e qualidade de vida

Portugal até é um país seguro, mas havia a preocupação em agir sempre com precaução. Algumas das coisas que o Livro das Ideias nos ensinava era a não ir na rua com uma amiga a conversar sobre o nosso colar de pérolas. “Use as joias com precaução e, se possível, mande gravar o seu número de BI nelas. Claro que os ladrões o podem apagar, mas quantos mais obstáculos se lhes colocar, melhor.” Como se gravar o BI nas nossas joias fosse um grande obstáculo, afinal. E um ato tão banal hoje em dia como ir a um multibanco era visto, na altura, como perigoso. “As caixas automáticas são muito cómodas mas só se não teve tempo de ir ao banco. Sempre que as utilizar, faça-o acompanhada por outra pessoa e evite usá-las à noite.”

Páginas dos exemplares 2, 3 e 4 dos Livros das Ideias que saíram durante a década de 90. Ao contrário das revistas femininas que trouxeram as modelos e as atrizes para nossa casa, aqui as páginas eram completamente ilustradas com desenhos.

Beleza e bem-estar criado na cozinha

Antes do mercado ser inundado por marcas internacionais e gadgets para tudo e mais alguma coisa como agora, a rotina de beleza de muitas mulheres era bem simples e com produtos disponíveis em casa. Para lábios sensuais? Esfregá-los com uma rodela de abacate (e isto bem longe do abacate se tornar o fruto da moda nas redes sociais). Para endurecer os lábios e evitar botox? Franzir os lábios, formando um pequeno “o” e, de seguida, exercitar um riso rasgado e, imediatamente, voltar a fazer um “o”. E repetir várias vezes ao dia, que tal?

Para refirmar o pescoço? Esfregá-lo com pepino. E, na altura, ainda se achava que depilar os pelos com lâminas fazia mal. “Fazer apenas em casos de emergência, como uma viagem relâmpago ou um encontro amoroso inesperado”, dizia o Livro das Ideias. E para apanhar sol, aconselhavam um protetor solar de FPS 15 ou 20 nos três primeiros dias de férias e de 2, 4, 6 ou 9 nos restantes dias ou quando já estivéssemos bronzeadas. Fator 50? Isso teria sido um choque naquela altura.

Inseticida debaixo do colchão e outras dicas para a casa

Todas as casas têm locais escuros onde é difícil limpar regularmente. A solução que nos davam? Pulverizar com inseticida a parte de trás dos móveis, dos radiadores e, inclusivamente, debaixo do colchão. Antes da chegada do Ikea e do estilo nórdico que entrou pela casa dos portugueses, a moda era ter uma cabeceira de cama acolchoada e, de preferência, com almofadas do mesmo padrão. E para evitar que a roupa branca, como as camisas, se tornasse amarelada, era simples: colocar papel de seda azul entre as dobras da roupa branca. E porque limpar o chão nunca foi do nosso agrado, a sugestão era curiosa: “Divirta-se, colocando panos sob os pés. A seguir, ponha a tocar a sua música preferida e dance ao seu ritmo. Quando a música acabar olhe para o chão: como um espelho!”

Moda intemporal… Ou nem por isso.

Todas sabemos que a moda é cíclica e, em alguns casos, intemporal. Mas há dicas que, hoje em dia, acabam por ter alguma piada. Para quem tem ombros muito estreitos? Usar um soutien com chumaços nas alças. Será que ainda se vendem? E quanto à roupa interior, o Livro das Ideias foi bem claro: “para as cuequinhas, opte pelas de tecidos elásticos e altas até à cintura”. Nos pés? Os mocassins de salto baixo estavam na moda. Bem como as calças de cintura subida que, em 1990, saltavam para as tendências. “Para usar com um top”, escreve o Livro das Ideias, ainda não familiarizado com conceitos que só chegariam no século seguinte como o “crop top”.

Mas porque tem muito mais piada ver com os seus próprios olhos, na fotogaleria, em cima, viaje para os anos 90 e veja algumas das páginas e das dicas que entravam pela casa das mulheres modernas de então.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crianças

Há Natais e Natais...

Rute Agulhas

Pais, mães, avós e restante família alargada. Deixemos as crianças viver a magia do Natal. Acreditar, mesmo que seja a fingir, no Pai Natal e nas renas, e na fábrica de brinquedos, e nos duendes.

IPSS

Raríssimas: o Estado é parte do problema

Rui Ramos

Mais do que por uma “vida de luxo”, a direcção da Raríssimas foi atraída por uma “vida de Estado”. Libertar a sociedade deste Estado gordo e promíscuo seria um meio de a libertar das piores tentações.

Brexit

Quem disse que sair da Europa era fácil?

Diana Soller

Esperemos que o executivo britânico se reorganize depressa. Ainda que o divórcio tenha tido até agora pouco de litigioso, uma das partes põe paus na engrenagem. E nas separações todo o cuidado é pouco

Crianças

Há Natais e Natais...

Rute Agulhas

Pais, mães, avós e restante família alargada. Deixemos as crianças viver a magia do Natal. Acreditar, mesmo que seja a fingir, no Pai Natal e nas renas, e na fábrica de brinquedos, e nos duendes.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site