Logo Observador
CGTP

CGTP quer que Governo rejeite proposta de Bruxelas de limitar greve dos controladores aéreos

O secretário-geral da CGTP diz que restrições recomendadas pela Comissão Europeia são "tentativa de condicionamento de um direito fundamental" e insta Governo a rejeitá-las.

Arménio Carlos diz que recomendação da Comissão Europeia é "inconstitucional"

TIAGO PETINGA/LUSA

O secretário-geral da CGTP recusou as restrições ao direito à greve dos controladores do tráfego aéreo, recomendadas pela Comissão Europeia, defendendo que o Governo as deve rejeitar liminarmente.

“Sabemos que o Ministério do Planeamento [e Infraestruturas] já tem conhecimento desta proposta e deve pronunciar-se contra qualquer alteração à lei da greve que ponha em causa este direito fundamental. (…) O Governo não pode ter dúvidas, não pode ter oura atitude senão rejeitar”, afirmou à Lusa o dirigente da intersindical.

Para Arménio Carlos, o que está em causa é uma “tentativa de condicionamento de um direito fundamental, que é o da greve”, o que diz que, além de ser “inconstitucional”, “é uma medida que visa sobrepor os interesses das empresas acima dos direitos dos trabalhadores”.

A Comissão Europeia quer ver alterada a legislação da greve dos controladores de tráfego aéreo, segundo noticia este domingo o Diário de Notícias, que avança que um documento do órgão executivo da União Europeia defende que os Estados-membros aumentem para 14, no mínimo, o número de dias de entrega do pré-aviso de greve, que atualmente é de 10 em Portugal para esta profissão.

Bruxelas defende ainda que o trabalhador seja obrigado a dizer até 72 horas antes da paralisação se vai aderir.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
CGTP

A ilusão do poder

Alexandre Homem Cristo
138

A CGTP está no terreno para libertar o PCP do PS. Os olhos dos comentadores estão sobre o PSD, mas a longevidade do governo, sobretudo no pós-eleições autárquicas, será ditada por este braço-de-ferro

Amor

A lição que Portugal deveria aprender com o Brasil

Ruth Manus

Foi aí que percebi que “eu te amo” seria uma belíssima solução para o amor português. Na verdade, nós no Brasil nem falamos o “eu”. Basta o “te amo”. O que importa é que é uma expressão fácil.

Igreja Católica

O diabo existe… graças a Deus!

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

As nossas representações do diabo são ‘figuras simbólicas’, mas não o próprio demónio, cuja realidade e actuação são verdades de fé reveladas na Bíblia.