Logo Observador
Meteorologia

Lisboa, Santarém, Setúbal e Bragança sob ‘aviso vermelho’ devido ao calor

149

Quatro distritos de Portugal continental estão hoje sob 'aviso vermelho', o alerta máximo, que representa uma situação meteorológica de "risco extremo", devido à previsão de tempo quente.

NUNO VEIGA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Quatro distritos de Portugal continental estão hoje sob ‘aviso vermelho’, o alerta máximo, que representa uma situação meteorológica de “risco extremo”, devido à previsão de tempo quente, informa o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

O resto do país está sob ‘aviso laranja’, o segundo mais grave numa escala de quatro, o que indica a existência de um risco moderado a elevado, devido à persistência de valores altos da temperatura máxima.

De acordo com o IPMA, os distritos de Lisboa, Santarém, Setúbal e Bragança vão estar sob ‘aviso vermelho’ a partir das 10h00 de hoje e até ao início da noite de domingo, devido às temperaturas elevadas que se vão fazer sentir.

As temperaturas máximas previstas para estes quatro distritos são de 34 graus em Setúbal, 39 em Bragança, 41 em Lisboa e 44 em Santarém.

O resto do país, exceto as ilhas, que não têm qualquer situação meteorológica de risco, está sob ‘aviso laranja’ durante o mesmo período de tempo.

Nesses distritos, as temperaturas máximas vão andar entre os 26 e 28 graus em Viana do Castelo e Porto, e os 42 e 43 graus, em Beja e Évora.

O IPMA prevê a continuação de tempo quente, com céu pouco nublado ou limpo, e temperaturas mínimas superiores a 20 graus Celsius.

Durante a tarde, haverá um aumento temporário de nebulosidade, em especial nas regiões do interior, com possibilidade de ocorrência de aguaceiros e trovoada.

O vento será em geral fraco, soprando temporariamente moderado nas terras altas do Norte e Centro, no Algarve e a sul do Cabo Carvoeiro, durante a tarde.

Na grande Lisboa e no grande Porto, o tempo continuará quente, com subida de temperatura, céu pouco nublado ou limpo e vento fraco.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Família

O cabanão (segunda crónica estival)

Maria João Avillez
120

Mas a quem preocupa hoje o esmorecimento do modelo tradicional familiar se ele é propagado como tendo passado de moda, saído de linha, estar “descontinuado”?