Incêndios

Nove distritos do país com risco ‘máximo’ de incêndio devido ao calor

Trinta e quatro concelhos de nove distritos apresentam hoje risco 'máximo' de incêndio, segundo informação disponível na página da Internet do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

HUGO DELGADO/LUSA

Trinta e quatro concelhos de nove distritos apresentam hoje risco ‘máximo’ de incêndio, segundo informação disponível na página da Internet do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

De acordo com o IPMA, no norte do país estão em risco ‘máximo’ de incêndio nove concelhos do distrito de Bragança: Bragança, Vimioso, Macedo de Cavaleiros, Mogadouro, Alfandega da Fé, Vila Flor, Freixo de Espada à Cinta, Torre de Moncorvo e Carrazeda de Ansiães.

No distrito da Guarda, o IPMA colocou também em risco máximo de incêndio os concelhos de Vila Nova de Foz Côa, Figueira de Castelo Rodrigo, Mêda, Pinhel e Trancoso.

Castelo Branco e Viseu são dois distritos igualmente em alerta, sobretudo para os concelhos de Oleiros, Proença-a-Nova, Vila Velha de Rodão, Vila de Rei e Penamacor, assim como Tabuaço, Sernancelhe e Penedono.

O Algarve é outra das zonas do país em maior risco, com sete concelhos do distrito de Faro em alerta: Castro Marim, Alcoutim, Tavira, São Brás de Alportel, Loulé, Silves e Monchique.

O IPMA colocou também em risco ‘máximo’ os concelhos de Odemira (Beja), Gavião e Nisa (Portalegre), Mação (Santarém) e Murça (Vila Real).

Outros concelhos dos distritos de Portalegre, Santarém, Beja, Vila Real, Viseu, Guarda, Castelo Branco e Faro apresentam risco ‘muito elevado’ de incêndio.

O risco de incêndio determinado pelo IPMA engloba cinco níveis, que podem variar entre ‘reduzido’ e ‘máximo’.

O cálculo é feito com base nos valores observados às 13h00 em cada dia relativamente à temperatura do ar, humidade relativa, velocidade do vento e quantidade de precipitação nas últimas 24 horas.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
António Costa

Pelos caminhos de Portugal

Paulo Tunhas

António Costa acha que “este ano foi particularmente saboroso para Portugal”. Houve, é verdade, os mortos dos fogos, houve Tancos, houve o caso da Raríssimas. Mas que importa isso?

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site