Médicos

Ordem dos Médicos. Reduzir lista de utentes é a forma de reter médicos de família no SNS

Ordem dos Médicos considera urgente reduzir a lista de utentes por médico de família. "Se não quisermos perder médicos de família temos de reter no SNS e temos de oferecer melhores condições", disse.

Atualmente, o limite máximo é de 1900 doentes por médico, na prática, esse limite é aplicado como norma

Manuel Almeida/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

A Ordem dos Médicos considera obrigatório e urgente reduzir a lista de utentes por médico de família e defende que esta é a única forma de reter no Serviço Nacional de Saúde (SNS) os profissionais de medicina geral e familiar.

“Se não quisermos continuar a perder médicos de família temos de reter no SNS e temos de oferecer melhores condições de trabalho. Melhorar as condições de trabalho é dar-lhes listas de utentes adequadas”, afirmou aos jornalistas o bastonário Miguel Guimarães.

A Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar apresentou este sábado na sede da Ordem dos Médicos, em Lisboa, uma proposta para que as listas de utentes passem a ter em conta as dificuldades de acesso a serviços de saúde em cada município, sugerindo listas que vão de 800 até menos de 1800 doentes.

Atualmente, o limite máximo é de 1900 doentes por médico, na prática, esse limite é aplicado como norma. Este número, que era para ser transitório, foi uma condescendência dos sindicatos médicos na altura da crise económica e da assistência financeira a Portugal e já devia ter sido revisto.

Agora, até porque Portugal já não atravessa a escassez de médicos de medicina geral e familiar de há poucos anos, a Associação vai sugerir que se introduza uma nova dimensão na constituição de listas de utentes por médico de família.

A ideia é ter em conta, em cada município, o contexto em que os médicos exercem a profissão, seja devido ao envelhecimento populacional, ao número de domicílios que necessitam de fazer e às distâncias que têm de percorrer, seja as próprias condições das unidades de saúde, como explicou o presidente da Associação de Medicina Geral e Familiar, Rui Nogueira.

A sugestão dos médicos de família surge na sequência de um estudo feito pela própria associação.

“A proposta agrada-nos. Independentemente dos estudos que vão ser feitos, este estudo é muito importante para mostrar que os médicos de família têm uma lista excessiva de utentes. Mas é preciso é tomar decisões. Temos uma deficiência no tempo da relação médico/doente. Os médicos têm claramente doentes em excesso. A decisão tem é de ser tomada”, afirmou o bastonário Miguel Guimarães.

O representante máximo dos médicos defende que o Ministério da Saúde devia “olhar com atenção” para este estudo da Associação de Medicina Geral e Familiar, lembrando que a redução das listas de utentes é uma medida essencial para melhorar a qualidade da medicina nos cuidados de saúde primários.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
António Costa

Pelos caminhos de Portugal

Paulo Tunhas

António Costa acha que “este ano foi particularmente saboroso para Portugal”. Houve, é verdade, os mortos dos fogos, houve Tancos, houve o caso da Raríssimas. Mas que importa isso?

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site