Logo Observador
Fogo de Pedrógão Grande

Pedrógão. André Villas-Boas vai doar 100 mil euros

46.430

Treinador lançou campanha solidária em nome próprio (10 euros por cada "gosto" na sua publicação no Instagram) e uma hora depois já tinha atingido 100 mil euros para apoiar as vítimas da tragédia.

Dean Mouhtaropoulos/Getty Images

O ex-treinador do FC Porto André Villas-Boas vai doar 100 mil euros às vítimas da tragédia de Pedrógão Grande. O valor da doação, redondo, foi alcançado em apenas uma hora, depois de Villas-Boas desafiar os seus seguidores no Instagram a colocar um “gosto” na publicação com o número da conta solidária aberta pela Caixa Geral de Depósitos (CGD) para apoiar as vítimas do incêndio.

O desafio foi lançado a meio da tarde deste domingo. “A CGD abriu uma conta de apoio às vítimas desta tragédia”, divulgava Villas-Boas na publicação em que pedia que a mensagem fosse partilhada pelos seus seguidores. E, para que a solidariedade alcançasse o maior número de pessoas possível, o treinador lançou o desafio: “Por cada like na foto, eu próprio contribuirei com 10 euros” para a conta solidária, garantia o treinador.

Não foi preciso muito para que os seguidores de Villas-Boas aderissem em massa à iniciativa. De facto, em menos de uma hora a publicação já somava mais de 10 mil “gostos” no Instagram. Villas-Boas garantiu:

Amanhã, serão transferidos 100 mil euros em apoio” às vítimas de uma tragédia que fez (contas ainda provisórias) 62 mortos e 54 feridos.

É a maior contribuição que uma figura pública já anunciou fazer depois de este sábado o país ter sido confrontado com os acontecimentos de Pedrógão Grande, no distrito de Leiria.

André Villas-Boas treina atualmente o clube chinês Shangai SIPG, onde recebe qualquer coisa como 16 milhões de euros brutos por ano. A doação que o treinador vai fazer esta segunda-feira para o banco público português representa cerca de 10% do seu vencimento mensal bruto.

Artigo editado às 23h para clarificar o sentido do texto.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: prainho@observador.pt
Fogo de Pedrógão Grande

Não veio o diabo mas veio o inferno

João Marques de Almeida
676

Como não podia deixar de ser, no meio da irresponsabilidade geral, não faltaram os apelos do primeiro-ministro à “unidade nacional”. Perante uma crise, os instintos do Estado Novo surgem imediatamente