Logo Observador
Crise dos Refugiados

126 migrantes desaparecidos após naufrágio no Mediterrâneo

Pelo menos 126 migrantes estão desaparecidos no Mar Mediterrâneo depois de o barco onde seguiam se ter afundado, avança a Organização Internacional de Migração.

Itália é o destino principal dos que escolhem fazer a travessia

Chris McGrath/Getty Images

Pelo menos 126 migrantes terão desaparecido durante o fim-de-semana quando tentavam fazer a travessia do Mar Mediterrâneo numa embarcação que acabou por naufragar, de acordo a Organização Internacional das Nações Unidas, que cita testemunhas ouvidas em Palermo, Itália.

O coordenador regional da OIM para a zona crítica do Mediterrâneo, Flavio Di Giacomo, dá conta do sucedido no Twitter onde avança que os ocupantes poderão ter perdido a vida, mas ressalva que a informação tem como base “testemunhas recolhidas hoje em Palermo”.

Desde o início do ano já morreram pelo menos 1828 pessoas que tentavam completar a travessia no Mar Mediterrâneo, de acordo com números publicados na semana passada pela OIM.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crise dos Refugiados

Se também o faisão não tivesse cantado…

José Miguel Pinto dos Santos
1.444

Para haver refugiados não é suficiente haver guerra. Ou pobreza. Basta haver dureza de coração por um lado e imprudência pelo outro. E a dureza pode estar em qualquer coração: até no dos refugiados.

Comunismo

PCP continua a falsificar a História

José Milhazes

O PCP criou um site para celebrar os 100 anos da revolução bolchevique de 1917, mas abre-o logo com uma fotografia falsificada de Lenine. Trata-se apenas da primeira de muitas falsificações históricas

Amor

A lição que Portugal deveria aprender com o Brasil

Ruth Manus

Foi aí que percebi que “eu te amo” seria uma belíssima solução para o amor português. Na verdade, nós no Brasil nem falamos o “eu”. Basta o “te amo”. O que importa é que é uma expressão fácil.

Igreja Católica

O diabo existe… graças a Deus!

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

As nossas representações do diabo são ‘figuras simbólicas’, mas não o próprio demónio, cuja realidade e actuação são verdades de fé reveladas na Bíblia.